11 Estados e DF devem aclamar candidatas do Miss Brasil 2020


Band só fará concurso com cotas vendidas

Da redação TV em Análise

Rodrigo Trevisan/Case Assessoria/Divulgação/28.02.2019
Candidatas do Miss Brasil 2019 durante programação em Campos do Jordão


A oito meses da mineira Júlia Horta, 25, talvez fazer sua sucessora, o ambiente de definição das 27 candidatas da 66ª edição do concurso de Miss Brasil deverá passar pela aclamação de metade do quadro de competidoras. Um levantamento obtido pelo TV em Análise Críticas na madrugada desta terça-feira (2) constatou que em 11 Estados – Acre, Amazonas, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Piauí, Rio de Janeiro, Rondônia, São Paulo e Tocantins, além do Distrito Federal, as candidatas deverão ser aclamadas pela nova coordenação nacional, que deverá ser anunciada oficialmente até o início de março. O contingente equivale a 44,44% do total.
Em 11 Estados – Alagoas, Amapá, Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Roraima, os concursos estaduais estão sendo tocados. O contingente equivale a 40,74% do total; Goiás, Santa Catarina e Sergipe, que já elegeram candidatas, representam 11,11% do total. No Rio Grande do Sul, Estado com o maior número de títulos de Miss Brasil (14) a situação está indefinida.
À redação do Críticas, a assessoria da Rede Bandeirantes, dona das marcas do Miss Brasil e detentora da concessão do Miss Universo para o país, informou que só fará o Miss Brasil 2020 com as cotas de patrocínio totalmente vendidas. A mesma condição vale para a exibição em TV aberta do concurso internacional, que deve acontecer em dezembro.
A movimentação de concursos estaduais apenas reforça a tendência da Band de organizar o Miss Brasil em 2020, encerrando rumores de cancelamento. Um projeto do gaúcho Evandro Hazzy, apresentado em outubro, dá as linhas gerais de como deverá ser a nova estrutura do Miss Brasil para o Miss Universo, em forma de empresa, tal como acontece com a Miss Universe Organization, dona do Miss Universo, Miss USA e Miss Teen USA, e a Organización Miss Venezuela, que manda candidatas para o Miss Universo e mais dois concursos internacionais do chamado Big 4 – o Miss Mundo e o Miss Beleza Internacional.
Sobre os números apresentados na matéria relativos ao panorama de aclamações que podem ser feitas para tampar buracos de coordenações vagas ou a ficarem vagas, e a indefinição no Rio Grande do Sul, a Band preferiu não se pronunciar. A emissora, no entanto, confirmou apoio aos concursos estaduais do Paraná, Pernambuco e Roraima, a serem realizados de fevereiro a abril, onde as afiliadas irão transmitir.

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Força da Grana, Jóia da coroa, Nossas Venezuelas, Projetos especiais e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s