As audiências americanas do domingo, 22 de setembro de 2019


Transmissão do 71º Primetime Emmy chega a níveis preocupantes

Da redação TV em Análise

Invision/Associated Press
Kerry Washington na dança para Billy Porter, de Pose


Os números registrados pela FOX na transmissão da 71ª festa de entrega do Primetime Emmy são assustadores: de acordo com dados prévios da Nielsen Media Resaerch, a premiação teve o pior número de telespectadores de toda a história: 5,95 milhões, na faixa entre 20 e 23h, pelo horário da costa leste americana, com média domiciliar de 5,8 e share de 10 pontos. Esses números foram 20% menores que os registrados no ano passado pela NBC (10,21 milhões de telespectadores, 7,8/13), que transmitiu a premiação numa segunda-feira por causa da agenda da NFL.
Só depois das 21h, o Oscar do horário nobre esboçou reação na disputa de audiência com programas da CBS, outra rede participante do rodízio do Emmy (volta em 2021 e 2025, pelo novo contrato, válido até 2026, com as quatro grandes redes). Começou ganhando do morno Big Brother e não parou mais, nem com as reprises de NCIS: Los Angeles e Madam Secretary. Segurou a vice-liderança em telespectadores, média domiciliar e média entre os telespectadores na faixa de 18 a 49 anos o tempo todo. Isso, apesar de ter bem menos público que o Sunday Night Football entre Cleveland Browns e Los Angeles Rams (20 a 13 para a equipe da Califórnia, em pleno Paul Brown Stadium). Na NBC, a partida foi vista por 16,25 milhões de telespectadores (também não foi grande coisa) e registrou média domiciliar de 12,6 e share de 23 pontos. É público longe de seus melhores tempos.
Em 2020, a transmissão do 72º Primetime Emmy vai ficar a cargo da ABC.
Antes, às 19h, a FOX registrara 6,02 milhões de telespectadores, média domiciliar de 4,2 e share domiciliar de 8 pontos com sua cobertura de tapete vermelho do Emmy. Da vice-liderança inicial, caiu para a terceira colocação e assim foi no início da cerimônia. Podem ter contribuído para essa queda a falta de um mestre de cerimônia e a chatice do show, mais destinado a festa de firmas de televisão e streaming do que evento de massa.

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Esportes, Eventos, Ibopes da vida, Premiações e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s