Mais de dois meses se passaram da eleição da mineira Júlia Horta como Miss Brasil 2019 e nada sobre o concurso de 2020


Na contramão, 54,9% das etapas estaduais do Miss USA 2020 tem datas marcadas

Da redação TV em Análise

Rodrigo Trevisan/Band/MissBrasil/Divulgação/09.03.2019
A mineira Júlia Horta recebe o título de Miss Brasil da amazonense Mayra Dias


Há exatos 70 dias, a mineira Júlia do Vale Horta era eleita Miss Brasil 2019 em uma convenção da empresa patrocinadora, realizada no São Paulo Expo, na zona sul da cxapital paulista. 70 dias se passaram e nada da Polishop decidir nada sobre a abertura de inscrições para os concursos estaduais do Miss Brasil 2020. Talvez nem haja clima para isso, até porque o foco das coordenações estaduais são as disputas municipais. Esse é o caminho certo que se deve tomar para colocar candidatas competitivas e tornar os concursos estaduais ainda mais atraentes aos olhos das imprensas locais e mídias sociais.
O que está na trava dessa novela toda é a insistência da Rede Bandeirantes em não aceitar a renovação do acordo de patrocínio do Miss Brasil, que é realizado sob licença da Endeavor, braço de entretenimento da International Management Group (IMG), dona da agência que gerenciou a carreira de Gisele Bündchen e Alessandra Ambrósio. É a Band quem manda prender e soltar no que diz respeito aos interesses do Miss Brasil. Sem a anuência da Endeavor e da Miss Universe Organization, em Nova York, nada feito.
Com o “terrorismo” imposto pela Band, saem perdendo as coordenações estaduais que esperam um posicionamento para tocarem as inscrições de candidatas para os certames. A desorientação é geral de norte a sul do país de Marthas Rocha e Vasconcellos e Ieda Vargas. Os Bruttos do sobrenome da Miss Universo 1963 adoram uma confusão. Ainda mais envolvendo a rede de televisão que exibe tanto o Miss Brasil quanto o Miss Universo.
Para Band e Polishop se espelharem: até o fechamento desta matéria, 28 das 51 coordenações estaduais do Miss USA já tinham fechado as datas dos concursos de 2020. Isso equivale a 54,90% do total de coordenações estaduais do Miss USA. No Brasil de 51 anos sem títulos de Miss Universo, ainda parece que o Miss Brasil 2019 foi ontem.

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Jóia da coroa, Nossas Venezuelas, Projetos especiais e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s