Com Cheslie Kryst, Carolina do Norte tem 3º título de Miss USA


É a primeira afro-americana do Estado a representar o país no Miss Universo

Da redação TV em Análise

Patrick Prather/Miss Universe Organisation/Divulgação


A eleição de Cheslie C. Kryst, 27, como Miss USA 2019 na noite desta quinta-feira (2), no Grande Teatro do Grand Sierra Resort, em Reno, foi um marco importante para a Carolina do Norte na etapa americana do Miss Universo. Pela primeira vez, em uma década, uma afrodescendente do Estado levou o título nacional. Advogada, Cheslie Kryst derrotou outras 50 candidatas num concurso cheio de imprevisibilidades, como a desclassificação de candidatas favoritas, como as da Geórgia, Katerina Rozmajzl , e do Texas, Alayah Benavidez, favoritas tanto na avaliação final do TV em Análise Críticas quanto de missólogos independentes e sites especializados.
Com uma pancada forte na resposta sobre os movimentos #MeToo e Time’s Up, Cheslie enfiou uma facada nos simpatizantes de Donald Trump, ex-proprietário do concurso, que indicou para a Suprema Corte um acusado de crimes sexuais, Brett Kavanagh. Sua classificação entre as três finalistas estava assegurada a partir daquele momento. Vítima de importunação sexual na faculdade, a nova Miss USA aterrorizou a rala base do Make America Greater Again, formada por psicopatas, neonazistas e supremacistas brancos. É esse povo que quer reeleger Trump presidente dos Estados Unidos no ano que vem.
Logo no primeiro bloco do concurso apresentado pelo casal Vanessa e Nick Lachey, Kryst deu à Carolina do Norte a 18ª classificação entre as semifinalistas do Miss USA em 68 participações. o que equivale a um aproveitamento de 26,47%. Fez um desfile convincente em seu traje de banho desenhado por Sinésia Karol. Repetiu a mesma performance na área de trajes de gala. O melhor de Cheslie ainda estava por vir para repetir os feitos de Chelsea Cooley, em 2005, e Kristen Dalton, em 2009. A trilha para a sua classificação no Miss Universo 2019 apenas começou a se formar.
Antes de Kryst, no domingo (28/4), Kaliegh Garris, 17, de Connecticut, vencera o Miss Teen USA 2019. É a primeira vez que as vencedoras tanto do Miss USA quanto do Miss Teen USA eleitas no mesmo ano são afrodescendentes. Pela segunda vez consecutiva, os dois concursos compartilharam a mesma sede. No ano passado tinha sido Shreveport.

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Eventos, Outras Venezuelas, Projetos especiais e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s