Band e Polishop irão arcar com o ônus da desclassificação de Mayra Dias entre as 15 semifinalistas do Miss Universo 2018


A 23 dias do concurso, cobertura na TV tem chegado próximo ao zero

João Eduardo Lima
Editor e criador dos blogs TV em Análise

Instagram/Mayra Dias/24.10.2018


A exatos 23 dias da 67ª edição do concurso de Miss Universo, as atenções da Rede Bandeirantes para o concurso tem sido praticamente nulas. Nenhum segundo de matérias foi dedicado em seus programas e telejornais para a preparação da representante brasileira na disputa, a jornalista amazonense Mayra Dias, 27. A assessoria da emissora sequer se movimentou para decidir se vai mandar equipe de reportagem para Bangcoc, cidade que vai sediar o evento. Para a Band, uma cobertura in loco do Miss Universo deveria ser vista como muito importante, para complementar o trabalho de transmissão de estúdio. Esse é um detalhe. Ainda mais em se tratando de um país que está há cinco décadas sem vencer o principal concurso de beleza do mundo.
A responsabilidade da Band e da patrocinadora do Projeto Miss, a Polishop, é enorme. Uma desclassificação de Mayra entre as 15 semifinalistas do Miss Universo 2018 será uma tragédia anunciada para a empresa de João Appolinário, que já vislumbra planos mais ambiciosos para o Miss Brasil até 2020. Levar o concurso de volta às massas, em convenções da empresa, já tem sido um acerto. O problema mais grave está no espaço zero que a Band tem dado à cobertura do Miss Universo 2018. Mayra embarca para Bangcoc na próxima quinta-feira (29), no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, a 55 km  da sede da Polishop, na Rodovia Régis Bittencourt, que liga São Paulo a Curitiba da Operação Lava Jato e da furna do Lula. Vai enfrentar um dia e quatro horas de viagem, com conexão em Dubai. Não há voos diretos do Brasil para a Tailândia.
A desatenção da Band para com o Miss Universo 2018 é gravíssima, gritante. Além dos repórteres, a emissora ainda não fecgou quem vai fazer a transmissão de estúdio. Renata Fan, 41, é nome natural para essa função. Da parte da Organização Miss Brasil Universo, Maria Eugênia Suconic, 31, apresentadora das duas últimas edições do Miss São Paulo e do Miss Brasil 2018, também é apontada como escolha certa. Cássio Reis, 41, que dividiu o palco do Riocentro com Mareu, ainda é dúvida. Ele não compareceu ao Miss São Paulo 2019, realizado no dia 13 de outubro, na São Paulo Expo, gravado pela Band para exibição no sábado seguinte, 20 de outubro. É grande a possibilidade dos três acumularem a função de comentaristas, já que nenhum nome apareceu nos planos da Band para a vaga.
O que tem salvado Mayra até aqui é a cobertura digital dada pelo Portal da Band e pelos telejornais locais da Band em Manaus a seus preparativos para o Miss Universo 2018, isso para não contar a parte propagandística. São os únicos veículo do Grupo Bandeirantes que tem dado ênfase ao concurso, mesmo que de forma tímida. Com contratos com agências internacionais de notícias, a Band tem desprezado essas parcerias no que diz respeito aos preparativos das concorrentes da brasileira. Sarah Rose Summers, Angela Ponce e Stefhany Gutiérrez, dentre outras, foram eleitas em seus concursos nacionais há bastante tempo. Tal qual Mayra Benita Dias do Brasil, de Itacoatiara, do Nova Olinda do Norte.
Se consumada, a classificação de Mayra Dias entre as semifinalistas do Miss Universo 2018 deverá afastar uma zica que tem assustado o Brasil nas edições anteriores realizada em Bangoc. A paranaense Maria Carolina Otto e a catarinense Carina Beduschi não conseguiram se classificar entre as 10 e 15 semifinalistas, respectivamente, nos dias 9 de maio de 1992 e 31 de maio de 2005, na 41ª e 54ª edições do Miss Universo. Foram critérios distintos, mas que foram melhorados com o tempo. E devem ser ainda mais aperfeiçoados. Mayra lidera a avaliação pré-embarque do TV em Análise Críticas, mas encontra problemas em hot picks de missólogos independentes, incrustados em mídias sociais. É aí que mora o perigo.

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Jóia da coroa, Nossas Venezuelas, Projetos especiais, Todas as Venezuelas do mundo e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Band e Polishop irão arcar com o ônus da desclassificação de Mayra Dias entre as 15 semifinalistas do Miss Universo 2018

  1. Winglis Thaylon disse:

    É lamentável que a rede Bandeirantes não esteja incentivando de fato o concurso…
    E é notório nesta reportagem que ha alfinetada ao ex presidente Lula, está havendo uma fuga de tema, pois o ponto principal é a Band e a Miss Brasil (Mayra Dias) e não o local do aeroporto e suas referências próximas.

  2. Altair disse:

    Na minha opinião também não sei se acontece assim como o carnaval. Tem uma verba destinada a esta festa, o miss Brasil teria de ter também para apoiar a candidata la fora.

  3. Pingback: Mayra Dias antecipa embarque para a 67ª edição do concurso de Miss Universo em três dias em relação à data programada | TV em Análise Críticas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s