Band quer concurso Miss São Pàulo 2019 depois das eleições


Emissora não quer eleição de sucessora de Paula Palhares em meio à cobertura política

Da redação TV em Análise

Buda Mendes/Latin Content WO/Getty Images/30.10.2010


A Rede Bandeirantes pediu à Polishop para marcar a edição 2019 do concurso Miss São Paulo para depois do período das eleições gerais, que acabam com o segundo turno, no dia 28 de outubro. A emissora argumentou que é inviável realizar uma etrapa estadual do Miss Brasil 2019 ainda com as campanhas políticas nos Estados e no Distrito Federal em andamento.
Um dos fatores que levaram a essa decisão foi a marcação de debates de segundo turno para a presidência da República (se houver), no dia 11, uma quinta-feira. A quinta-feira seguinte, 18 de outubro, está reservada aos debates nos Estados onde haverá segundo turno para governador. Além disso, há o horário eleitoral gratuito que, no segundo turno, terá exibição diária, inclusive aos domingos. A seletiva do Miss São Paulo 2019 acontece no sábado (15).
O regulamento do Miss Brasil proíbe às candidatas de concursos estaduais envolvimento com agremiações partidárias ou coligações, impedindo-as de disputar cargos eletivos. A mesma proibição é válida para as coordenações estaduais e municipais. No caso do Miss São Paulo, promovido pela Band e pela Polishop, a decisão de não meter o concurso de 2019 no meio do furacão político é da própria emissora. A intenção da emissora e da patrocinadora é criar uma janela de segurança entre o Miss São Paulo, cuja final deve ocorrer em novembro, e a 67ª edição do Miss Universo, que acontece daqui a 105 dias, em Bangcoc. O estratagema servirá para abrir a campanha da amazonense Mayra Dias, 26, na disputa do título.

Rodrigo Trevisan/Band/Divulgação/31.03.2018
Paula Palhares: depois de oito meses, fim de linha como Miss SP 2018

Se a Band levar a risca a cena eleitoral, a 64ª edição do concurso de Miss São Paulo deverá acontecer em uma das três datas propostas: 3, 10 ou 17 de novembro. Os detalhes sobre a definição do local da final e da programação a ser cumprida pelas candidatas permanecem sob segredo. Nem Band, nem Polishop querem dar aos missólogos paulistas um prato mal preparado em termos de concursos estaduais de beleza. Como agravante, está o fato de Paula Palhares, da cidade de Sumaré, ter de encerrar seu reinado depois de oito meses.
Procuradas pela reportagem do TV em Análise Críticas, as assessorias da Band e da Polishop não quiseram comentar sobre as decisões já tomadas acerca do Miss São Paulo 2019. Fora de São Paulo, apenas Goiás e Santa Catarina terão concursos estaduais adiantados para o final deste ano. As outras 24 coordenações estaduais farão os concursos do ciclo do Miss Brasil 2019 entre janeiro e abril. O concurso nacional deve ocorrer no dia 25 de maio, em local e cidade ainda a serem escolhidos.

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Jóia da coroa, Nossas Venezuelas, Podres poderes, Projetos especiais e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s