Band diminui as coberturas do Miss Brasil, Miss Universo e de concursos estaduais importantes em seus telejornais de rede


Média caiu de 2m35s para 1 minuto entre os concursos de 2013 e 2018

Da redação TV em Análise

Celso Tavares/EGO/02.10.2016


Apesar dos esforços, a Rede Bandeirantes não tem feito sua parte nas coberturas de diferentes edições do concurso de Miss Brasil desde 2003. Um levantamento feito pela redação do TV em Análise Críticas mostrou que o tempo médio de matérias sobre a etapa brasileira do Miss Universo caiu drasticamente desde 2013. Naquele ano, a emissora teve uma média de 2 minutos e 35 segundos para cada reportagem do concurso nacional. Em 2018, essa média caiu para 1 minuto e 8 negundos.
Para o ciclo do Miss Brasil 2003, a Band destinou uma média de 7 minutos e 50 segundos de reportagens nos telejornais da rede. Em 2004, foram 9 minutos e 45 segundos de matérias. Em 2005, essa média foi de 7 minutos e 35 segundos. Em 2006, foram 6 minutos de matérias dedicadas ao Miss Brasil. Em 2007, a Band dedicou 5 minutos de matérias ao Miss Brasil. Em 2008, já com a transmissão nacional de dois concursos estaduais (são Paulo e Minas Gerais), a Band dedicou 10 minutos e 25 segundos aos concursos de beleza. Em 2009, foram 15 minutos de matérias só contando o Miss São Paulo, o Miss Brasil e as homenagens que a miss de então, Larissa Costa, recebeu no seu Estado, o Rio Grande do Norte.
Em 2010, a Band dedicou 15 minutos de reportagens sobre os concursos do Miss Brasil. Em 2011, ano em que o Miss Universo ocorreu no Brasil, a Band dedicou 18 minutos e 45 segundos de matérias sobre o Miss Brasil e seus concursos estaduais. Em 2012, essa quantidade despencou para 16 minutos e 5 segundos. Em 2013, foram 12 minutos e 43 segundos de reportagem sobre os concursos do ciclo do Miss Brasil. Quando o concurso ocorreu em 2014, em Fortaleza, foram oito minutos de reportagens nacionais sobre o Miss Brasil. Em 2015, a Band dedicou 10 minutos e 22 segundos de matérias do Miss Brasil. Em 2016, essa quantidade foi de 8 minutos e 37 segundos. Em 2017, foram 7 minutos e 53 segundos de matérias só sobre o Miss Brasil. O cômputo não inclui coberturas locais.

Miss Universo

Já em relação ao Miss Universo, a Bande dedicou 2 minutos e 10 segundos em 2003. Em 2004, quando mandou equipe para Quito, a emissora dedicou 8 minutos e 12 segundos de matérias. Em 2005, essa quantidade caiu para 1 minuto e 11 segundos. Em 2006, foram apenas 56 segundos de matérias sobre o certame. Em 2007, foram 13 minutos e 52 segundos de matérias sobre o concurso, tempo esse impulsionado pelo segundo lugar da mineira Natália Guimarães. Em 2008, foram 5 minutos e 26 segundos de matérias sobre o concurso realizado no Vietnã. Em 2009, nas Bahamas, a Band dedicou 2 minutos e 29 segundos de matérias sobre o concurso. Em 2010, em Las Vegas, a Band reduziu a cobertura para mísero 1 minuto e 12 segundos. Quando São Paulo recebeu o concurso, em 2011, a Band dedicou 12 horas e 29 minutos de reportagens sobre a 60ª edição do Miss Universo.
A partir do Miss Universo 2012, o espaço dedicado ao concurso na grade da Band só diminuiu – de 4 minutos e 57 segundos caiu para 2 minutos e 2 segundos, em 2013. Em 2014, em Doral e Miami, a Band teve 7 minutos e 22 segundos de matérias sobre a 63ª edição do Miss Universo. Em 2015, a Band reduziu a cobertura para 2 minutos e 12 segundos. Em 2016, a cobertura do Miss Universo nos telejornais da Band somou 3 minutos e 58 segundos. Em 2017, a emissora dedicou ao concurso 9 minutos e 42 segundos.
Mesmo com a entrada de um transgênero e o favoritismo da amazonense Mayra Dias, 26, a perspectiva na Band é que a cobertura do Miss Universo 2018, a começar no dia 20 de novembro, tenha espaço ainda mais reduzido nos seus telejornais. A perspectiva é de que a emissora dedique entre 3 minutos e 59 segundos e 6 minutos e 43 segundos, a depender do interesse da rede em mandar equipes de reportagem para acompanhar o concurso in loco, material fde apoio a ser suprido pela Band Amazonas e a compactação dos principais momentos das preliminares e da final televisionada do dia 16 de dezembro. Procurada pela reportagem do Críticas, a assessoria da Band informou que não vai se pronunciar sobre os cortes nas coberturas nacionais do Miss Brasil e do Miss Universo. Dependendo do Estado, cada emissora da Band dedica, em média, de 2 a 6 minutos e 20 segundos sobre cada concurso estadual. Os tempos são referentes a coberturas na Paraíba e no Rio Grande do Sul, praticados no ciclo do Miss Brasil 2018, tomados como parâmetro para essa mensuração.

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Imprensa, Jóia da coroa, Jornalismo, Nossas Venezuelas, Projetos especiais e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s