Mudança abrupta no domingo da Band pode fazer com que o concurso Miss Universo 2018 venha a ser transmitido ao vivo


Tudo vai depender do caminhar de decisões da MUO quanto a data, cidade-sede e definição de geradora internacional

Da redação TV em Análise

Patrick Gray/AFP/Getty Images/26.11.2017


A demissão do argentino Guillermo Pandino de sua direção de programação e conteúdo e as mudanças na grade de domingo a partir da redução do tempo do programa de José Luiz Datena, 61, metido a Rodrigo Faro de pileque sem nenhum resultado, podem levar a Rede Bandeirantes a, nas próximas semanas, a optar pela transmissão ao vivo da 67ª edição do concurso de Miss Universo. Caso ocorra num domingo, como tem acontecido nas últimas quatro edições, a Band tem na manga duas opções. Uma, simples, consistirá na sua exibição ao vivo para todo o país. Mas tudo vai depender de como se arrastarem as negociações da Miss Universe Organization para a definição da cidade-sede e de sua data. O contrato da FOX, vigente desde 2015, também está em jogo. A outra, mais complicada, será a de botar o concurso gravado. Mas depois do quê?
O esvaziamento da grade de entretenimento dominical após a saída dos humoristas do Pânico jogou essa luz sobre a dúvida na qual a Band vai se arrastar assim que a MUO resolver toda a pendenga de data e cidade-sede, mais a definição da geradora oficial. Ainda não está claro se a FOX vai ou não gerar o Miss Universo 2018 para 213 países e territorios, como tenta a Endeavor. É desejo da Endeavor ter uma geradora americana de importância para o Miss Universo, tais quais foram a CBS e a NBC. A Endeavor é dona da IMG Models, que tem um dedo de Gisele Budchen no 1,70m da sul-africana Demi-Leigh Nel-Peters.
O momentum da Band com a preparação do projeto do Miss Universo 2018 é de profunda aquietação. Mal passou o Miss Brasil 2018, a emissora simplesmente se calou sobre a eleição da amazonense Mayra Dias, 26. Sua vitória foi abafada pela alta repercussão da greve dos caminhoneiros nos telejornais da rede. Sumiu até do canal pago BandNews, pródigo em informar os resultados dos concursos de misses da emissora mão. O momentum político brasileiro daquele 27 de maio não pediu essa pauta. Calou Mayra em meio aos descerebrados que pediam nas estradas coisas como “intervenção militar já!” e “Fora Globo!”.
Pateticamente, no mesmo 27 de maio dos protestos do Fora Temer e da turma de Jair Bolsonaro, Mayra Dias participava no Riocentro (agora propriedade parcial da Globo, via Globosat) do encerramento da convenção nacional de vendas da Polishop, patrocinadora master do Miss Brasil desde 2016. O inferno da greve fez a ida de Mayra para Manaus e sua Itacoatiara ser postergada em duas semanas, enquanto os brasileiros já vislumbravam a Copa do Desabastecimento e da Carestia. Sim, a Copa da Rússia que está para começar.
Qualquer decisão que a Band tome após o Mundial acerca de programação dominical pode impactar também na decisão de transmitir ou não o Miss Universo 2018 ao vivo. Levá-lo ao ar gravado já foi um erro gravíssimo. Revelou desvantagem de informação em relação ao ao vivo que o canal pago TNT fazia no dia 26 de novembro de 2017; Em muitas regiões, o fim da transmissão no cabo e no satélite da TV por assinatura serviu de “escada” para o telespectador da Band aberta conferir como Monalysa Alcântara se portou no quadro de 10 semifinalistas em traje de gala. De outra forma, não se deve privar o telespectador de TV aberta de ver o Miss Universo em nome de decisões pequenas e mesquinhas.

Fotos George Pimentel e Rosdiana Ciaravolo/Getty Images

Até o fechamento desta matéria, a Miss Universe Organization vinha trabalhando com dois cenários de data para o concurso ocorrer ainda em 2018: 16 (domingo) ou 20 de dezembro (quinta-feira). A segunda data é a seguinte à última transmissão da temporada 2018 do Thursday Night Football, entre Kansas City Chiefs e Los Angeles Chargers, no Arrowhead Stadium. Já se especulou a troca de Steve Harvey, 61, por duas modelos – Bella Hadid, 21 e Taylor Hill, 22. A MUO nega esse rumor. Alega que Harvey está sob contrato. Mas Bella e Taylor estão na reserva que  a MUO/Endeavor fizer em caso de contingência. A única vez que duas supermodelos apresentaram o Miss Universo foi em 2001, em Bayamón (Porto Rico). Elle Macpherson, 54, e Naomi Campbell, 48, as uvas da ocasião, exerceram essa função na 50ª edição do certame, realizada no Coliseo Rubén Rodríguez.

Greg Harbaugh/AFP/Getty Images/10.05.2001

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Jóia da coroa, Nossas Venezuelas, Projetos especiais, Todas as Venezuelas do mundo e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s