A Band está a um passo de desistir dos concursos de misses


O tal do argumento da ‘grade competitiva’ parece estar pesando para esse escanteio

João Eduardo Lima
Editor e criador dos blogs TV em Análise

< Eduardo Verdugo,/Associated Press/28.05.2007


Responsável por revelar Grazi Massafera, Mayana Neywa e Natália Guimarães, o pacote de concursos estaduais do Miss Brasil/Miss Universo parece estar em seus últimos dias na Rede Bandeirantes. Restam dois anos de contrato com a Miss Universe Organization, que dificilmente deverá ser renovado. Mesmo com o apoio financeiro da Polishop, a Band já jogou a toalha para a transmissão de vários concursos estaduais e agora ameaça adiar o concurso nacional previsto para 19 de maio. Para dar mais tempor para encontrar uma cidade-sede, já há na emissora quem fale em adiar o Miss Brasil 2018 para o dia 19 de junho, uma terça-feira.
Entre as justificativas usadas pela Band para abrir mão dos concursos de misses, está seu alto custo de produção e as despesas de transporte das candidatas. Para o concurso do ano passado, em Ilhabela, se criou um gasto extra, cuja conta já chegou à área comercial da Band. Há dívidas vultosas com a Prefeitura local, administrada pelo PMDB do Baleia Rossi, do Temer, da Bancada do Boi e dos presidiários Eduardo Cunha e Sérgio Cabral Filho.
Outra razão para a Band ensaiar um afastamento dos concursos de misses está na tentativa de adoção de uma grade mais competitiva, na visão de seu novo diretor geral de conteúdo, o argentino Guillermo Pendino. Como se sabe, foi graças a gente como Pandino que o Miss Universo Argentina saiu da América Televisión aberta e foi para o canal pago TNT. Seus índices de audiência simplesmente foram de 1,8 ponto para o traço.
Em mão totalmente oposta, parte dos coordenadores estaduais subordinados a Marcelo Soes, incumbido pela Polishop de servir de ponte entre a Band e as coordenações dos Estados, acredita que a Band fará sim o Miss Brasil 2018, seja em que data for. De acordo com esses coordenadores, o único entrave é a definição da cidade-sede, que ainda não foi feita por João Appolinário, CEO da Polishop. Ele fez esse tipo de decisão numa convenção da empresa realizada no Riocentro, em cujo final Isabel Correa foi eleita Miss Rio de Janeiro 2017. Foi lá que Ilhabela foi escolhida para sediar o Miss Brasil 2017.
De acordo com as coordenações estaduais, a Band descartou transmissões em Santa Catarina e no Distrito Federal. E pode fazer o mesmo com os concursos do Acre, Amapá, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rondônia e Tocantins. Por ora, permanecem confirmadas as transmissões dos concursos do Amazonas, Bahia, Ceará, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e São Paulo.
As assessorias da Band e da Polishop não foram localizadas pela reportagem do TV em Análise Críticas para comentar sobre o problema que cerca a transmissão de vários concursos estaduais do programa do Miss Brasil 2018, que credenciará a representante brasileira no Miss Universo 2018, previsto para o dia 16 de dezembro.
Os números da Kantar Ibope Media parecem dar razão a Pandino: no Painel Nacional de Televisão (PNT), a transmissão do concurso de Miss São Paulo sequer figurou entre os 10 programas mais vistos da Band nos dois últimos anos. Em mercados regionais, transmissões de concursos em Minas Gerais e no Rio Grande do Sul deram no ano passado médias de 2 a 3 pontos. Na Bahia, não passou de 1,5 ponto. No quintal de casa, o Miss São Paulo registrou em 2017 sua pior audiência desde que chegou à Band em 2006. Quanto ao Miss Brasil e ao Miss Universo, essas, no entanto, são outras histórias.

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Ibopes da vida, Jóia da coroa, Nossas Venezuelas, Projetos especiais, Todas as Venezuelas do mundo e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s