Número de telespectadores de edições gravadas do concurso Miss Universo na Band cresce 443% entre 2010 e 2017 em SP


Classificações de brasileiras e conjuntura de programação ajudaram

Da redação TV em Análise

Fotos Ethan Miller e Frazer Harrison/Getty Images/20.12.2017 e 26.11.2017


As várias estratégias que a Band adotou para empurrar o concurso de Miss Universo para edições gravadas em 2010, 2015 e 2017 só fizeram aumentar o número de aparelhos e telespectadores ligados na medida em que a emissora era pressionada por internautas a não colocar o concurso depois de programas de linha como CQC e Pânico na Band, um já extinto e o outro em fim de linha. Ao levar ao ao o Miss Universo 2010 à 0h45 do dia 24 de agosto de 2010, quando àquela altura a mexicana Ximena Navarrete já tinha sido eleita, a Band pagou um preço altíssimo pela estratégia errada que adotou. Viu o concurso registrar a pior audiência de todos os tempos nas medições domiciliares realizadas pela Kantar Ibope Media na Grande São Paulo.
Em 20 de dezembro de 2015, a Band saltou do vergonhoso 0,4 ponto que registrara cinco anos antes para 1,8 na média domiciliar, o que significou uma evolução de 350%. Com a decisão da Band de colocar o concurso no ar à 0h10 da segunda-feira, 21 de dezembro de 2015, após o Pânico, o número de telespectadores saltou de 65.994 para 356.694, o que significou uma evolução de 440,49%. O número de domicílios ligados saltou de 23.320 para 120.803, o que significou uma evolução de 418,92%.
As reclamações crescentes de internautas contra a pouca atenção dada pela Band ao Miss Universo, principalmente em seus telejornais, sem o envio de repórteres aos países sede, obrigaram a emissora a ter mais pontualidade com a transmissão dom o concurso de 2017, realizado no domingo (26). Já na madrugada da segunda-feira (27), a gravação da 66ª edição do Miss Universo rendeu à emissora a maior audiência entre os VTs do concurso levados ao ar desde 2010. Estabilizou a média domiciliar de 1,8, mas teve evolução de 0,57% no número de telespectadores e de 5,13% no número de domicílios ligados ante 2015, quando a gaúcha Marthina Brandt parou entre as 15 semifinalistas na fase de traje de banho. A classificação da piauiense Monalysa Alcântara, 18, entre as 10 semifinalistas na fase de trajes de gala foi o fiel da balança para a manutenção da média domiciliar, ao menos entre os paulistanos. É pouco provável que o Miss Universo 2017 apareça na lista dos 10 programas mais vistos da Band no Painel Nacional de Televisão (PNT). Essas informações fazem parte da série histórica de audiência do Miss Universo na Grande São Paulo entre 1986 e 2017, organizada pelo TV em Análise Críticas

HISTÓRICO DE AUDIÊNCIA DO CONCURSO MISS UNIVERSO NA GRANDE SÃO PAULO (1986-2017)
Os dados são da Audi-TV e Kantar Ibope Media
Ano Rede Média Telespectadores Domicílios
1986 SBT 28,0 N/D 814.000
1987 SBT N/D N/D N/D
1988 SBT N/D N/D N/D
1998 SBT N/D N/D N/D
2003 Band 8,0 640.000 387.912
2004 Band 5,0 843.260 242.500
2005 Band 5,0 853.000 237.500
2006 Band 4,5 792.000 235.350
2007 Band 6,0 1.069.800 326.400
2008 Band 3,6 792.000 199.800
2009 Band 2,0 440.000 116.600
2010 Band 0,4 65.994 23.320
2011 Band 8,2 1,504.864 477.527
2012 Band 4,0 734.080 240.816
2013 Band 3,0 557.442 185.856
2014 Band 2,7 535.037 181.205
2015 Band 1,8 356.691 120.803
2016 Band 2,6 518.203 183.453
2017 Band 1,8 358.756 127.006

EQUIVALÊNCIAS DE PONTO
21/7/1986: 55.000 telespectadores e 35.000 domicílios
3/6/2003: 80.000 telespectadores e 48.489 domicílios
1º/6/2004: 168.652 telespectadores e 48.500 domicílios
30/5/2005: 170.000 telespectadores e 47.500 domicílios
23/7/2006: 176.000 telespectadores e 52.300 domicílios
28/5/2007: 178.300 telespectadores e 54.400 domicílios
13/7/2008: 220.000 telespectadores e 55.500 domicílios
23/8/2009: 220.000 telespectadores e 58.300 domicílios
23/8/2010: 164.986 telespectadores e 58.300 domicílios
12/9/2011: 183.520 telespectadores e 58.235 domicílios
19/12/2012: 183.520 telespectadores e 60.204 domicílios
9/11/2013: 185.814 telespectadores e 61.952 domicílios
25/1/2015: 198.162 telespectadores e 67.113 domicílios
20/12/2015: 198.162 telespectadores e 67.113 domicílios
29/1/2017: 199.309 telespectadores e 70.559 domicílios
26/11/2017: 199.309 telespectadores e 70.559 domicílios

LEGENDA UTILIZADA:
N/D = Não Disponível

Em comparação a 2010, a transmissão gravada do Miss Universo 2017 pela Band teve crescimento de 443,61% no número de telespectadores e 444,62% no número de domicílios ligados. A média domiciliar teve crescimento de 350%.
Fora da Grande São Paulo, a transmissão gravada do Miss Universo 2017 teve média de 1,3 ponto no Recife. Na capital pernambucana, cada ponto equivale a 12.382 domicílios e 36.042 telespectadores.

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Datamisses, Ibopes da vida, Nossas Venezuelas, Projetos especiais, Todas as Venezuelas do mundo e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s