Assunto da semana: Deputados, bem vindos ao meu Paraíso


A correlação de Me Chama de Bruna com as negociatas pró Temer

FOX Networks Grroup Brasil;Dibulgação;22.10.2017


Um dos 233 deputados que votaram contra o arquivamento da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, no horário nobre da quarta-feira (25) comparou o Brasil e seu governo a uma casa de tolerâncias. Tradução: o velho deputado, Mendes Thame, quis comparar o país a uma casa de prostituição, como a de Me Chama de Bruna (FOX Premium 1, domingo, 22h45, 18 anos). Aquela mesma da Bruna Surfistinha, na televisão vivida por Maria Bopp. E no cinema por Deborah Secco, contratada da Rede Globo, chamada de “lixo”.
É interessante notar que a quadrilha que sustentou Temer até na pele e na faixa do palhaço Wladimir Costa esquece que outra artista da Globo, Maitê Proença, está no elenco da segunda temporada de Me Chama de Bruna. Fica difícil se ater a detalhes do enredo da série, dada a ressaca pós-votação. E o redemoinho midiático que se produziu na manhã seguinte para a tal de “agenda positiva”, a qual não passa de palhaçada pré-eleitoral. Em meio a um trauma político, cujas concussões caíram até nas cabeças pretas do PSDB, o plot secou.
Com menos sem-vergonhice em relação à primeira temporada, a estreia da segunda temporada de Me Chama de Bruna se mostrou amorfa, fria. Ficou parecendo um remake de Verdades Secretas, sem as modelos, mas com a agência e o tópico da prostituição mantido. Como produto da FOX, convence como peça de propaganda, incluindo canção do falecido Belchior (Meu Bem) no terceiro episódio da temporada anterior. Virando para o presente, passa-se para a Bruna Surfistinha personagem de mídia do início dos anos 2000.
Sem cancha de ser biográfica, como o filme, Me Chama de Bruna inicia sua segunda temporada na condição de produto que vise a alguma indicação ao Emmy Internacional na cota da FOX Brasil. Diante da cartelização imposta pela “Globo Lixo”, em palavras do deputado Professor Vitório Galli (PSC-MT), fica difícil imaginar tal panorama. Para a premiação do dia 20, 1 Contra Todos pegou uma indicação de atuação, com um ator agora contratado da Globo. Ou Estúdios Globo, como os filhos do Roberto Marinho preferem. Bom sábado a todos.


Publicação simultânea com o TV+Vida do Jornal Meio Norte deste sábado (28/10)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Coluna da Semana, Séries e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s