Assunto da semana: O this is us do This is Us do This is Us


Uma disputa figadal no 69º Primetime Emmy de drama

Fotos NBC, Hulu e Netflix/Divulgação


Pensam que as coisas estão fáceis para This is Us após eu ter assistido o piloto na FOX em som original, sem o convescote das dublagens que enchem o saco? Não, Há mais seis razões para se preocupar: a disputa do 69º Primetime Emmy de melhor série dramática é mais dramática que se pensa. Entre o furdunço de Westworld e a humanização de um drama de rede aberta, This is Us perde pela falta de lobby. A HBO sabe com o que está lidando e sua expertise de Sopranos e Game of Thrones deve falar mais alto no envelope final.
Vocês, seus inocentes úteis, podem escrever o que quiserem. Não adianta bater panela para depois acharem que eu escrevi injustiça caso This is Us perca. Desde 24 Horas, a televisão aberta americana não produz nada de calibre que dê de cara estatueta. Com a Netflix de House of Cards e o Huku de The Handmaid’s Tale, os tempos definitivamente são outros. Quer reclamar? Quer espernear? Então junte suas economias para derramar um esgoto de reclamações na feira da NAB, a Associação Americana de Emissoras, em Las Vegas.
Vamos refletir: assim como na comédia, são sete as séries que disputam a categoria de melhor drama. Sete, e não seis ou cinco como há dez anos atrás. Para piorar os ânimos da turma da NAB, o Netflix colocou também a carga Stranger Things e The Crown. É coisa para executivo de rede e empacotadora pedir calmante e tratamento psiquiátrico. A velha guarda das redes abertas vai surtar com tanta indicação de streaming – só para melhor série dramática, são quatro de um total de sete. Uma do Hulu e três do Netflix. Socorro!
Podem botar o Datena para gritar que as séries de streaming passaram a ocupar lugar definitivo no olimpo do drama. Não há mais volta. É um ponto de não retorno do qual a NBC de This is Us e a HBO de Westworld vão ter de se dar conta. A mesma regra vale para a AMC de Better Call Saul, derivativo de Breaking Bad, vencedora em 2013 e 2014. Em semana de áudios com impropérios do Joesley Safadão da JBS, classificáveis como impróprios para menores, convém conter um acirramento ainda maior. Bom final de semana a todos.

Publicação simultânea com o TV+Vida do Jornal Meio Norte deste sábado (9/9)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Coluna da Semana, Premiações, Séries e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s