Nove países que competiram no Miss Universo 2016 correm o sério risco de não terem candidatas no concurso de 2017


Dinamarca, Hungria, Itália, Quênia, Sri Lanka, Suíça, Tanzânia e Uruguai não decidiram se realizarão concursos ou indicarão candidatas. Polônia negocia antecipar

Da redação TV em Análise

Ted Alibe/AFP/Getty Images/26.01.2017


Dos 86 países que marcaram presença na 65ª edição do concurso de Miss Universo, realizada na manhã de 30 de janeiro, em Pasay (região metropolitana de Manila), nove correm o risco de não terem candidatas na 66ª edição, prevista para daqui a 84 dias em Phoenix (Arizona). De acordo com apuração realizada pelo TV em Análise Críticas, as coordenações da Dinamarca, Hungria, Itália, Quênia, Sri Lanka, Suíça, Tanzânia e Uruguai não decidiram se realizarão concursos nacionais ou indicações de candidatas para o Miss Universo 2017. A Polônia, que tem concurso nacional marcado para o mesmo dia do Miss Universo, 26 de novembro, segue em negociações com a Miss Universe Organizatiuon para tentar antecipar a data de seu certame para outubro.
Dessas coordenações, apenas a da Dinamarca foi descredenciada por práticas de corrupção. As demais coordenações citadas sequer marcaram datas de concursos nacionais antes do prazo imposto pela MUO, que se encerrou na quinta-feira, 31 de agosto. Na prática, os oito primeiras países da matéria são considerados desistentes para a disputa do Miss Universo 2017. O número de desistências já supera as oito verificadas no ano passado – El Salvador, Gabão, Gana, Grécia, Irlanda, Líbano, Montenegro e Sérvia, mas pode se igualar caso a Polônia confirme presença no Miss Universo 2017 até o dia 30 deste mês.
Até o final de outubro, 28 coordenações nacionais agendaram as datas de seus concursos nacionais e outras nove estão com datas em aberto. Elas se juntarão às 54 que já elegeram ou indicaram candidatas. Com esses números, o Miss Universo 2017 deverá bater o recorde de candidatas, com 91 inscritas. O recorde atual de candidatas do Miss Universo foi estabelecido em 2011 em São Paulo e repetido em 2012, em Las Vegas. Em ambas as ocasiões, 89 candidatas competiram.
Entre os países que correm o risco de ficar fora do Miss Universo 2017 está o Quênia, que obteve com Mary Esther Were sua primeira classificação em oito participações não consecutivas no Miss Universo. O país estreou no certame em 1987, em Cingapura. Em Pasay, Esther Were ficou entre as seis finalistas da primeira fase de entrevistas.

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Datamisses, Numb3rs, Projetos especiais, Todas as Venezuelas do mundo e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s