Assunto da semana: O garoto-propaganda Adam DeVine


As primeiras impressões da nova embalagem do MTV Movie Awards

Herald Keeper/Reprodução


Não estamos aqui para fazer comercial de café ou de creme de leite, mas é mais ou menos que a MTV norte-americana tenta fazer com o adágio de divulgação de apresentador (Adam DeVine, Workaholics), bem como o de divulgação de indicados, ocorrido no início da tarde da quinta-feira (6). Na introdução das áreas de televisão, adendo do nome do 26º MTV Movie & Television Awards, a principal categoria é a de show do ano (ou Programa do Ano, na nomenclatura da Television Critics Association). É a coisa que passa a valer a partir de agora.
Marcas registradas, as categorias de melhor beijo e melhor vilão, existentes desde o primeiro Movie Awards, ainda em 1992, não sofreram divisão, ao contrário de premiações sindicais e de associações de correspondentes. Juntou-se num mesmo saco gente de The Walking Dead, Stranger Things e a obscura American Horror Story: Roanoke com atores de apenas dois filmes. Isso para citar apenas um caso entre os recorrentes das áreas de atuação. Outra categoria só de televisão é a de melhor apresentador seja do que for.
A divisão segue nas categorias de melhor ator e melhor atriz, especificadas em melhor ator/atriz em filme e melhor ator/atriz em show. Seria o caso de melhor ator ou atriz em programa? Outra coisa mista é a de melhor herói, coisa farta em televisão, mas que teve de ser compartilhada com os de filmes. Nas invencionices da MTV, criou-se uma coisa chamada “derramador de lágrimas”, como se o Primetime Emmy não servisse para mensuração alguma de excelência artística. “Tearjeaker”, para mim, não passa de música do Korn.
Ainda entre as novidades, criaram-se categorias como “Melhor História Americana” (não a de Horror dos indicadores da Moody’s e do S&P 500), “Nova Geração” (para pegar esse povo de produções novatas de tevês abertas, pagas e plataformas de streaming) e “Melhor Luta Contra o Sistema”, incluindo Mr. Robot e não incluindo os hackers russos que elegeram o “Donaldo” Trump para a Casa Branca. O resto da história vai ficar para ser contada a partir das 21h (horário de Teresina) do domingo, 7 de maio. Bom final de semana a todos.

Publicação simultânea com o caderno Notícia da TV do Jornal Meio Norte que circula no sábado (8/4)

Anúncios

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Coluna da Semana, Eventos, Premiações e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s