Citado em escutas da Operação Carne Fraca, ministro da Justiça Osmar Serraglio fez mensagens saudando a Miss Brasil 2016, Raíssa Santana, mesmo perdendo Miss Universo


Aliado de Eduardo Cunha ignora que vencedora foi a francesa Iris Mittenaere e que Raíssa é baiana

Da redação TV em Análise

Fotos Getty Images e Itaberaba Notícias


Envolvido no olho do furacão do escândalo dos frigoríficos desvendado pela Operação Carne Fraca da Polícia Federal, deflagrada na sexta-feira (17), o ministro da Justiça, o deputado federal licenciado Osmar Serraglio (PMDB), 68, produziu através de seu gabinete parlamentar duas mensagens de Facebook para a Miss Brasil 2016, a baiana Raíssa Santana, 21, em seu perfil parlamentar na rede social. A primeira delas, decorrente da eleição como Miss Brasil 2016, no dia 1º de outubro, dizia “Parabéns à querida Raissa Santana, Miss Paraná, umuaramense, que a partir de hoje é a nossa Miss Brasil”. Ocorre que Serraglio, natural de Erechim (372 km a noroeste de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul), assim como boa parte “do Paraná do Sérgio Moro” exaltado em seu voto a favor do impeachment da então presidenta Dilma Rousseff, esquece que Raíssa é natural de Itaberaba, cidade situada a 280 km a oeste de Salvador, capital da Bahia. Acabou bombardeado com comentários de internautas pedindo o desengavetamento da PEC 412, que trata da autonomia da Polícia Federal, a mesma que colocou Serraglio na escuta, porém não na condição de investigado.
Depois que Raíssa se classificou apenas entre as 13 semifinalistas do Miss Universo 2016, na noite de 29 de janeiro, Serraglio postou outra mensagem com o seguinte teor: “Raissa, Mais uma vez você nos orgulhou! Independente de quem recebeu o título de Miss Universo, pela linda história, pela garra, pela beleza, pela desenvoltura e por tudo que você representa e significa para tantas mulheres brasileiras, você é a vencedora. Nós torcemos por você e continuamos torcendo. Obrigado por tão bem nos representar. Você continuará nos orgulhando. Parabéns!”. O sucessor do tucano Alexandre de Moraes na pasta da Justiça esqueceu que a vencedora do Miss Universo 2016 foi a francesa Iris Mittenaere, recebida em audiência na sexta-feira (17) pelo presidente François Hollande, 62.
Tido como aliado de Eduardo Cunha (RJ), Serraglio presidiu a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, que trabalhou pela sua cassação. Na sessão de 12 de setembro, que decidiu pela cassação do presidente afastado da Câmara, Serraglio votou sim. Cunha, seu antigo fiador político, está preso por ordem de Moro desde o dia 18 de outubro, por crimes relacionados à Operação Lava Jato, nas negociações para instalação de campos de petróleo da Petrobras em Benim, no oeste da África.

Anúncios

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Nossas Venezuelas, Podres poderes e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s