Candidatura de Sílvio Santos ao Planalto, venda da Record para líder da Igreja Universal e coronéis nordestinos fizeram o Brasil ficar fora do Miss Universo 1990


Envolvimento do SBT até o pescoço com a campanha presidencial fracassada do então apresentador do Miss Brasil custou a realização do concurso nacional e colocou por terra o planejamento de etapas estaduais, prejudicado por petistas presos pela Operação Lava Jato mancomunados com artistas da Globo

João Eduardo Lima
Editor e criador dos blogs TV em Análise

Miss Universe Organization/15.04.1190/Divulgação
Ao Palocci, ao Marcondes Gadelha e ao Hugo Napoleão, miss só se fosse para fazer acordão eleitoral

O dia 15 de abril de 1990 poderia não ter ficado no esquecimento dos brasileiros se o apresentador Sílvio Santos, 85, não tivesse cedido o glamour da organização que engendrava o Miss Brasil, considerada então uma das melhores etapas nacionais do Miss Universo, a interesses comesinhos de ocasião de animais políticos como o então senador Hugo Napoleão, 73, e o deputado federal Marcondes Gadelha, 73, ambos à época no PFL (atual Democratas), acomodados no irrelevante Partido Municipalista Brasileiro (PMB), que acabaria servindo de guarda-chuva para a pior aventura política do Herói de determinados jornalistas especializados em cobrir televisão. A intenção de colocar Sílvio Santos primeiro como candidato à Prefeitura de São Paulo em 1988 e depois como presidenciável em 1989 na primeira eleição direta para presidente depois da redemocratização impediu que o público do SBT assistisse naquele dia a 39ª edição do concurso de Miss Universo (ver vídeo abaixo), realizada no agora demolido Shubert Theatre, na área central de Los Angeles.

A censura dos coronéis do PFL impediu que os brasileiros soubessem no próprio domingo quem estava competindo no Miss Universo 1990. Gadelha, que em abril último votou a favor do impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff, 68, e Napoleão eram aliados da Rede Globo, principal emissora interessada em trancar da pauta da mídia brasileira os concursos de misses, a começar do Miss Universo. A orquestração desastrada de fazer Sílvio Santos candidato à Presidência da República por um partido nanico “matou” a organização do Miss Brasil, considerada referência para as coordenações nacionais da América Latina. Era no Miss Brasil que coordenações como as do Panamá e Venezuela, por exemplo, buscavam inspiração para melhorar seus desempenhos a partir do Miss Universo 1990, apresentado por Dick Clark (1929-2012) e comentado pela atriz Leeza Gibbons, 59, e pela Miss Universo 1978, a sul-africana Margaret Gardiner, 57. Fato. A Bolívia tece no Miss Universo 1990 sua primeira classificação.
Para o Miss Brasil virar a década de 1990 no SBT era preciso uma conjunção de fatores. Primeiro, vencer a resiliência imposta a Sílvio Santos por um grupo de deputados federais e políticos do PT, entre os quais Antônio Palocci Filho e José Dirceu, presos pela Operação Lava Jato, além de Martha Suplicy (hoje no PMDB de Michel Temer e dos novos presidiários Eduardo Cunha e Sérgio Cabral Filho). E segundo, resolver o pepino da parte da Rede Record de Rádio e Televisão (a FM já tinha sido vendida em 1988). Foram arroladas na transação as TVs Record de São Paulo, São José do Rio Preto e Franca, emissoras originais da atual formação da rede nacional que a Record viria a formar já sob a liderança do bispo Edir Macedo, 71, que não mediria esforços para que a Record afastasse o SBT da vice-liderança nacional que ocupava com facilidade nos seus anos de Miss Brasil e Miss Universo (A atual detentora desses eventos, a Bandeirantes, ocupa uma horrenda quarta colocação que prejudica a competitividade desses eventos).
Nos meios impressos, a manobra pefelista/petista/global para “calar” o Miss Universo 1990 teve seus efeitos: revistas como Veja e Manchete dedicaram míseras notas de rodapé à eleição da norueguesa Mona Grudt, à época com 19 anos, última nórdica e europeia a vencer o certame desde então. Para os feudos eleitorais de Palocci, Napoleão, Gadelha e assemelhados, não interessava dar a seus telespectadores através das respectivas concessões do SBT e do recém-nascido Foro de São Paulo o direito de saber quem seria a Miss Universo de 1990, 1991 até 2001. Graças ao trinômio PT, PFL e Globo, o Brasil começaria uma seca midiática de 13 anos sem ver o Miss Universo na televisão.

Anúncios

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Nossas Venezuelas, Poderes ocultos, Podres poderes, Projetos especiais e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Candidatura de Sílvio Santos ao Planalto, venda da Record para líder da Igreja Universal e coronéis nordestinos fizeram o Brasil ficar fora do Miss Universo 1990

  1. Pingback: Representante brasileira no Miss Universo 1995 é casada com senador do ‘helicoca’ | TV em Análise Críticas

  2. Pingback: Válido até 2020, contrato da Band com a Polishop para o Miss Brasil não inclui transmissão do Miss Universo | TV em Análise Críticas

  3. Pingback: A 49 dias do Miss Universo 2016, candidata brasileira Raíssa Santana ‘some’ e imprensa nativa trata concurso com desdém | TV em Análise Críticas

  4. Pingback: Em 1992, Marlene Brito, ex-SBT, tentou negociar direitos do Miss Brasil e Miss Universo com a Band | TV em Análise Críticas

  5. Pingback: Candidatura de SS tirou Brasil do concurso Miss Universo 1990 | TV em Análise Críticas

  6. Pingback: Collor e a Globo tinham na manga um plano urdido no ‘Bolo de Noiva’ para tirar o Brasil do concurso de Miss Universo 1990 | TV em Análise Críticas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s