Média de audiência domiciliar do concurso Miss Brasil na Grande São Paulo é a terceira pior desde 1981


Crescimento de telespectadores em relação ao Miss Brasil 2015 foi de apenas 8,89%

João Eduardo Lima
Editor e criador dos blogs TV em Análise

Miss Universe Organization/Divulgação/01.10.2016
Sucesso em redes sociais, vitória de Raíssa Santana foi uma negação de público… para os paulistanos

A eleição da paranaense Raíssa Santana, 21, como Miss Brasil 2016 é um fato para ser esquecido, principalmente no que diz respeito ao histórico de audiência do concurso na principal praça de decisões para o mercado publicitário brasileiro, a Grande São Paulo. Desde o início da série histórica em 1981, na Rede Record, a média domiciliar do Miss Brasil despencou 94%. De acordo com dados consolidados da Kantar Ibope Media, a média domiciliar que, em 1981, era de 40 pontos, erodiu com variações para os 2,4 pontos registrados na transmissão feita pela Band na noite do sábado (1º). Por ter começado depois das 22h30, o concurso vai ficar fora da medição de horário nobre da Kantar Ibope para os 15 mercados componentes do Painel Nacional de Televisão – além de São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Vitoria, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém, Manaus, Brasília, Goiânia, Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre.
O concurso de Miss Brasil também sofreu uma violenta queda também em número de telespectadores desde o início das medições em peoplemeters na região: de 1,267 milhão de telespectadores na coroação de Deise Nunes no dia 17 de maio de 1986, o certame teve queda de público de 62,52%. Ou seja, de cada dez telespectadores, seis deixaram de assistir ao Miss Brasil em comparação a 30 anos, quando o concurso estava nas mãos do SBT. O abandono do concurso atendendo pressões de anunciantes ligados à Rede Globo e de parlamentares petistas, fez com que o Miss Brasil passasse toda a década de 1990 sem emissora. Com a retomada do certame em 2002, na Rede TV!, sua audiência já estava minguando e continuou a minguar nos anos em que está na Band, desde 2003. Em comparação ao Miss Brasil 2015, no entanto, houve um crescimento tímido de 8,89% no número de telespectadores. É cedo afirmar se, com o apoio financeiro da Polishop, o Miss Brasil retomará o ritmo de crescimento proposto pelo CEO da Organização Miss Brasil Universo, João Appolinário, até 2020. Com esses números minguados (e a despeito de repercussão em redes sociais), será dificílimo o certame voltar a ser o que era antes em termos de audiência televisiva para o público paulistano. Para o resto do país, será uma questão de tempo. Abaixo, os números detalhados

AUDIÊNCIA DO CONCURSO MISS BRASIL EM MÉDIA DOMICILIAR, TELESPECTADORES E DOMICÍLIOS NA GRANDE SÃO PAULO
Os dados são referentes às edições de 1981 a 1986 e 2002 a 2015
Ano Emissora Média Telespectadores Domicílios
1981 Record 40,0 N/D N/D
1982 SBT 38,4 N/D N/D
1983 SBT 35,0 N/D N/D
1984 SBT 35,0 N/D N/D
1985 SBT 25,0 N/D N/D
1986 SBT 22,0 1.267.000 680.000
1987 SBT N/D N/D N/D
1988 SBT N/D N/D N/D
1989 SBT 8,0 N/D N/D
2002 Rede TV! 5,0 400.000 237.500
2003 Band 7,0 560.000 339.423
2004 Band 7,0 1.180.564 339.500
2005 Band 6,0 1.020.000 285.000
2006 Band 6,0 1.056.000 313.800
2007 Band 4,5 802.350 244.800
2008 Band 4,3 946.000 238.650
2009 Band 5,0 1.100.000 291.500
2010 Band 3,5 577.451 204.050
2011 Band 3,0 550.560 174.705
2012 Band 2,0 367.040 120.408
2013 Band 3,9 724.674 241.632
2014 Band 2,9 560.514 189.082
2015 Band 2,2 435.956 147.648
2016 Band 2,4 474.756 166.600
EQUIVALÊNCIAS DE PONTO
1986: 55.000 telespectadores e 35.000 domicílios
2002: 80.000 telespectadores e 47.500 domicílios
2003: 80.000 telespectadores e 48.489 domicílios
2004: 168.652 telespectadores e 48.500 domicílios
2005: 170.000 telespectadores e 47.500 domicílios
2006: 176.000 telespectadores e 52.300 domicílios
2007: 178.300 telespectadores e 54.400 domicílios
2008: 220.000 telespectadores e 55.500 domicílios
2009: 220.000 telespectadores e 58.300 domicílios
2010: 164.986 telespectadores e 58.300 domicílios
2011: 183.520 telespectadores e 58.235 domicílios
2012: 183.520 telespectadores e 60.204 domicílios
2013: 185.814 telespectadores e 61.952 domicílios
2014: 193.281 telespectadores e 65.201 domicílios
2015: 198.162 telespectadores e 67.113 domicílios
2016: 197.814 telespectadores e 69.417 domicílios

LEGENDA UTILIZADA:
N/D = Não Disponível

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Datamisses, Ibopes da vida, Nossas Venezuelas, Numb3rs, Projetos especiais e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Média de audiência domiciliar do concurso Miss Brasil na Grande São Paulo é a terceira pior desde 1981

  1. Pingback: Concurso Miss Brasil 2016 foi o 149º programa de maior média domiciliar na Grande São Paulo em outubro | TV em Análise Críticas

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s