Assunto da semana: Kieran, desça o pano, aqui vamos nós!


A última nota do American Idol para o 68º Primetime Emmy de competição

Reuters/07.04.2016

Morreu a alegria do povo. E com ela, o “Super Bowl dos pobres” na acepção de LaPorsha Renae, segunda colocada no 15º e último ciclo do American Idol, encerrado no dia 7 de abril. O apagar histórico das luzes que revelaram a nova ordem da cultura musical americana pós-2000 e frequentadora de redes sociais parecem pavimentar a derradeira indicação deste programa para o Primetime Emmy de melhor reality de competição, sem direito às choradeiras de Jennifer Lopez, Ryan Seaxrest e outros desempregados das coxias.

Fotomontagem/NBC e ABC/Divulgação

Para uma disputa já marcada pelas presenças líquidas e certas de algozes nas disputas de audiência como Dancing with the Stars (2005) e The Voice (2011), a possível presença do Idol no quadro de indicados ao 68º Primetime Emmy do segmento seria até uma forma de render homenagem a um programa que, durante uma década e meia, movimentou uma indústria de informação em seu entorno. Não há como colocar argumentos contra: o Idol deve concorrer de alguma forma, mesmo que seja para preencher os pontos da banca.

SGranitz/WireImage/Getty Images/23.09.2002

Na televisão norte-americana, os realities de competição já existiam antes do American Idol chacoalhar toda a engrenagem no verão de 2002 e movimentar 23 milhões de telespectadores na final entre Kelly Clarkson e Justin Guarini, em 23 de setembro. A FOX saiu de um limbo de irrelevância e se afirmou por anos na dianteira entre os telespectadores na faixa de 18 a 49 anos, enquanto a CBS se mantém até hoje no coro da audiência geral, na vida real. Survivor, Big Brother e The Amazing Race são exemplares desse período.

Captura de tela/FOX/07.04.2016

Você, caro leitor, vai acabar cobrando de mim a seguinte pergunta: como é que está o Ryan Seacrest depois de ficar desempregado com o fim do American Idol, que alçou sua carreira profissional, a ponto de expandir seus negócios fora da TV? Prefiro não responder a esta pergunta. O mais importante é que para o Idol, sua história foi devidamente escrita por 11 jurados em diferentes composições. E dez homens e cinco mulheres que viram neste programa a abertura de portas para a carreira e suas mudanças de vida. Até domingo.

Publicação simultânea com o caderno Notícia da TV do Jornal Meio Norte que circula no domingo (10/7)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Coluna da Semana, Premiações, Reality-shows e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s