Assunto da semana: Manipuladores do pseudo-documentário


Entre Muppets e direito de resposta, os bonecos da virtude

Andrea McCally/ABC/Divulgação/31.07.2015

É fácil entender porque The Muppets (Sony, 3ª, 20h30, 14 anos) é a única série de horário nobre que envolve bonecos. Mais bonecos do que seres humanos de carne e osso atuando. No piloto intitulado Pig Girls Don’t Cry (nada relacionado ao Partido da Imprensa Golpista e sim a Miss Piggy), Caco (tradução radical ortodoxa para o sapo Kermit) alimenta uma briga pública com Piggy, que comanda um talk show de mentira na grade de fim-de-noite da ABC, emissora que aprovou e exibe a trama nos Estados Unidos. Com estrelas e tudo.

Andrea McCally/ABC/Divulgação/31.07.2015/Ueslei Marcelino/Reuters/20.08.2015

Me estranha a coincidência de Muppets ter chegado à TV paga brasileira na terça-feira (20) em que a Câmara dos Deputados se masturbava ideologicamente num entra e sai de destaques, apensos e outras besteiras afins para a regulamentação do direito de resposta previsto na Constituição de 1988. A pantomina do presidente Eduardo Cunha soou mais interessante que o segundo trabalho televisivo da equipe da Disney, que assumiu a propriedade dos Muppets como quem já gere a ABC e o canal pago de esportes ESPN.

Eric McCandless/ABC/Divulgação/22.09.2015

Ao final de um ato musical do Imagine Dragons, que encerrou o piloto, deve se dizer que The Muppets não é exatamente uma série de comédia, mas um programa humorístico de esquetes como o da ganhadora do Primetime Emmy Amy Schumer. Ou a própria história do The Muppet Show, veiculado entre 1979 e 1980. É um Saturday Night Live sem apresentador, porém com o roteiro de uma comédia regular de horário nobre e a cancha que lhe é devida. Tem espírito de Modern Family com uma mente de The Big Bang Theory.

Fotos Andrea McCallin/ABC/Divulgação/07.08.2015 e 09.08.2015

Para não dizer que não falei das flores, a constelação de Tracy Anderson do fitness, Tom Bergeron do Dançando com as Estrelas e Elizabeth Banks da franquia de filmes Jogos Vorazes tem apenas um peso para efeito de indicação ao Primetime Emmy de ator convidado. Do pessoal citado no trecho, apenas Banks é atriz profissional e filiada ao SAG-AFTRA. O resto de possíveis perspectivas de indicação deve vir da direção de arte, edição em câmera simples e a dublagem de seu múltiplo arco de personagens, dividida entre seis atores. Até domingo.

Publicação simultânea com o caderno Notícia da TV do Jornal Meio Norte que circula no domingo (25/10)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Coluna da Semana, Imprensa, Poderes ocultos, Podres poderes, Séries e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Assunto da semana: Manipuladores do pseudo-documentário

  1. Pingback: As submissões na categoria de melhor ator em série cômica do 68º Primetime Emmy | TV em Análise Críticas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s