A uma semana do Miss Teen USA 2015, prevalece o silêncio sobre o futuro da Miss Universe Organization pós-Trump


Pré-candidato republicano ainda consta como dono de 49% das ações da entidade que organiza o Miss Univerrso e nome da NBCUniversal ainda aparece nos sites oficiais

João Eduardo Lima
Editor e criador dos blogs TV em Análise

Alexander Nemenov/AFP/09.11.2013


Donald Trump (dir.) promoveu edições do Miss Universo entre 1996 e 2014

Restando oito dias para a realização do concurso Miss Teen USA 2015 no Atlantis Paradise Island, em Nassau (Bahamas), prevalece o ambiente de silêncio na Miss Universe Organization sobre quem vai controlar a partir de agora a entidade promotora do Miss Universo depois das declarações discriminatórias de Donald Trump a imigrantes ilegais mexicanos – se o próprio Trump, a presidenta Paula Shugart ou uma associação com a ex-miss Universo Lupita Jones e os grupos de mídia Televisa e NBCUniversal. Uma proposta de compra das propriedades da MUO já teria sido feita a Trump por Jones e pela Televisa, que detém parte do controle acionário da rede hispânica Univisión, para comprar-lhe os 49% de controle acionário da Miss Universe Organization, uma entidade sem fins lucrativos sediada em Nova York, formada em 1995 após a aquisição da Miss Universe Inc. junto à MSG Entertainment e à empresa de vestuário Kayser-Roth, então dona da marca de maiôs Catalina.
Fontes da direção da Miss Universe Organization informaram ao TV em Análise Críticas na manhã desta sexta-feira (14) que “um importante acordo está em vias de sair, envolvendo a propriedade do concurso Miss Universo e de seus concursos irmãos, o Miss USA e o Miss Teen USA”. De acordo com essas fontes, um acordo emergencial de transmissão do Miss Universo 2015 seria bem vindo, “desde que não cause impactos negativos na captação de patrocinadores e na atração de mais telespectadores no mercado doméstico dos Estados Unidos em comparação ao Miss USA 2015”, citando a desastrosa experiência tida com o canal pago Reelz, que chega a apenas 58% dos domicílios americanos com TV por assinatura (incluindo provedores de cabo, telecom e via satélite). Canais mais importantes como E! e TNT tem cobertura superior a 80% dos domicílios e, por si só, a adesão voluntária da Reelz a um projeto da Miss Universe Organization já foi um erro, ao contrário do que demonstrara seu presidente e fundador, Stanley E. Hubbard, na participação do canal no TCA Summer Press Tour, no domingo (9), em Beverly Hills.
Dentro da MUO, um acordo entre Trump, Televisa e Univisión para a venda da parte que cabe por ora ao pré-candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos não está descartado. Os 51% restantes do controle da MUO continuariam nas mãos da NBCUniversal, que passaria a ter poder de veto para indicar os diretores da entidade que promove o Miss Universo. Nos moldes atuais, Paula Shugart, executiva contratada de Trump desde 1998 e presidente da Miss Universe Organization desde 2001, não precisaria passar por esse crivo. Apesar da troca de controle acionário, a permanência de Shugart é dada como certa para 90% dos executivos da MUO, que disseram estar confiantes em seu trabalho como produtora executiva dos eventos televisionados da entidade, mostrado em matéria publicada pelo Críticas na segunda-feira (3).
Sob a gestão de Trump, foram realizadas 18 edições do Miss Universo, Miss USA e Miss Teen USA, entre 1996 e 2014. A conta não inclui as edições de 2015 do Miss USA e Miss Teen USA, que já foram realizadas após os rompimentos de contratos de TV da NBC e da Univisión para o Miss Universo e Miss USA, causados pelas declarações anti imigratórias de Trump. Até o fechamento desta reportagem, a MUO mantinha oito acordos de caridade, um fundo beneficente, e uma iniciativa social entre as obras de caridade que apoia. Seis empresas mantém contratos de patrocínio com a MUO: Diamonds International Corporation (DIC), Yamanay, Chinese Laundry, Sherri Hill, Image Skincare e Bold Sunless. O quadro de diretores da MUO tem 19 nomes, e Donald Trump não está entre eles. Embora ainda figure como proprietário, na teoria, na prática, Trump já não figurou como produtor executivo do Miss USA 2015 televisionado pela Reelz e pelo Youtube da MUO para todo o mundo ver e rever. E talvez, em função das atividades de campanha, nem o faça no Miss USA 2015, tampouco no Miss Universo 2015.

Anúncios

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Projetos especiais, Todas as Venezuelas do mundo e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s