Assunto da semana: Ofertas bizarras para tubarões exigentes


Uma breve introdução aos conceitos empresariais de Shark Tank

Adam Taylor/ABC/Divulgação/20.09.2013

Cheia de estruturas e boas intenções, a introdução da quinta temporada de Shark Tank (TLC, 2ª, 22h20, 12 anos) mostrou um lado nada convencional dos poucos realities de empreendedorismo feitos na televisão norte-americana (retirando-se realities de competição). É complicado entender a premissa básica desse programa, que consiste em oferta de sociedade em negócios, alguns beirando o tosco, o bizarro, o mau gosto. Nada que se aproxime de aberrações de certos programas de auditório ou entretenimento sem conteúdo.

Adam Taylor/ABC/Divulgação/20.09.2013

À semelhança de The Apprentice, Shark Tank recebeu na ABC a produção executiva de Mark Burnett, criador da competição de artistas esquecidos (ou de segunda classe) comandada por Donald Trump. Mas reside contra Trump a ratoeira: Shark Tank bateu na estreia, em 23 de agosto de 2009, nada mais nada menos que o concurso de Miss Universo (uma das pernas de negócios de Trump, em associação com a NBC, rede que exibe uma coisa – o Apprentice – e outra – o concurso de beleza). Revolta de criaturas de um mesmo criador.

Adam Taylor/ABC/Divulgação/20.09.2013

De volta ao foco, Postcard on the Run sintetiza exatamente esse conceito de tosco nas ofertas absurdas apresentadas por dois dos quatro empreendedores apresentados no episódio. Um dos rejeitados apresentava à banca formada por Mark Cuban, Kevin O’Leary, Lori Greiner, Robert Herjavec e Barbara Corcoran uma fabricação de picles em versão gourmet. O outro empreendedor não aceito tentava criar uma espécie de “Facebook da turma do jaleco branco”. Queria misturar Deus com Mark Zuckemberg. Endoideceu.

Adam Taylor/ABC/Divulgação/20.09.2013

Mau gosto à parte, o ato primeiro da quinta temporada de Shark Tank, embora reprisado, reservou na introdução do aplicativo móvel de cartões de festividades seu momento mais interessante. Coisa digna de ter dado à produção uma saraivada de indicações do PGA Awards ao 66º Primetime Emmy. No fecho do episódio, a aprovação para um negócio de cake balls (sabe se lá o que isso quer dizer). Independente da apreciação ou não dos investidores, Shark Tank se torna interessante em noite sem o Gugu. Até domingo.

Publicação simultânea com o caderno Notícia da TV do Jornal Meio Norte que circula no domingo (22/3)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Coluna da Semana, Força da Grana, Reality-shows e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s