Assunto da semana: sai, Capeta!


O exorcismo de Constantine para as premiações de sindicatos técnicos

Annette Brown/NBC/Divulgação/16.09.2014

Ano Novo à mesa, a pendência de um texto sobre Constantine (Space, 6ª, 21h30, 14 anos) apenas atesta o desleixo deste colunista para com a excelência técnica apresentada em seu sétimo episódio, Blessed are the Damned, exibido no Brasil no dia 19 de dezembro. Portanto, o último inédito antes do hiato forçado das séries para a pausa básica para as ceias, festas e presentes afins. A desatenção de alguns para com o roteiro de David S. Goyer, Daniel Carone e Snaha Koorse revelou o desleixo para com a peça prima do terror. Mea culpa.

Annette Brown/NBC/Divulgação/22.09.2014

Considerada pelo conjunto e não pelo item episódico para o 41º People’s Choice Awards a ser realizado nesta quarta-feira (7), Constantine é um espetáculo técnico das adaptações dos quadrinhos para a televisão. Não bate The Walking Dead nas áreas técnicas em que a trama de Frank Darabont é fortíssima (dublês, maquiagem protética, etc.), mas impressiona pelo espetáculo de efeitos visuais especiais (terminologia adotada pela Academia de Televisão para o segmento de efeitos visuais nos Primetime Emmys). É um primor.

Annette Brown/NBC/Divulgação/16.09.2014

Pelo plano da NBC, emissora que exibe a trama nos Estados Unidos, Blessed… foi o penúltimo inédito de Constantine em 2014 antes do recesso para as festas de final de ano. Com 13 episódios ordenados na carteira, a trama de Goyer e Carone adaptada de Hellblazer caminha para um futuro incerto. Vai depender das audiências dos episódios a serem transmitidos a partir de 16 de janeiro, independente de o público ter escolhido ou não Constantine no PCA de novo drama favorito de TV aberta. Gosto popular não é excelência.

Annette Brown/NBC/Divulgação/22.09.2014

Embora os 3,17 milhões de telespectadores da exibição americana do episódio apontassem para coisa pior, Constantine, para os padrões da NBC, entra para o clube de séries dramáticas da mesma classe de Hannibal: intrigam no aspecto artístico, mas na resposta de público, se mostram uma vergonha. A seleção para a Sexta-Feira da Morte mostra bem esse tipo de comportamento. Drácula começou assim no ano passado. Apesar do aporte inglês, acabou cancelada – coisa que Constantine não tem. Até domingo.

Publicação simultânea com o caderno Notícia da TV do Jornal Meio Norte que circula no domingo (4/1)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Coluna da Semana, Premiações, Séries e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s