PHA: Como a Veja surrupiou oito pontos da Dilma em SP


O jornal nacional conferiu veracidade ao que o eleitor tinha visto nas redes sociais

Paulo Henrique Amorim
Do Conversa Afiada

Bessinha

A situação da Dilma não era boa na cidade de São Paulo.
Mas, como observa o prefeito Haddad, o resultado não precisava ser tão ruim: poderia ser parecido com o de 2010.
E, como diziam a Vox e o DataCaf, ela, nacionalmente, poderia ter uma vantagem de um a três pontos percentuais a mais.
O que aconteceu ?
O que aconteceu na cidade de São Paulo reflete, em maior escala, talvez, o que pode ter acontecido pelo Brasil afora.
O ambiente político na cidade de São Paulo estava, em 2014, muito mais radicalizado.
Os blocos PT e PSDB se fecharam, digamos assim, em fortalezas muito mais “concretados”, impermeáveis.
Havia um grupo de oito a dez pontos percentuais que podia ir pra lá como prá cá.
Um grupo que não rejeitava os dois candidatos e não tinha se decidido.
Aí, pesavam contra a Dilma dois pontos: a “corrupção” e o temor de que ela fosse capaz de dar o salto na Economia.
Uma semana antes da eleição, porém, do debate da Record em diante, ela subiu, cresceu nesse grupo indeciso.
Porque ela pode ser mais programática e o eleitor desconfiou não do que o Aécio Never falava, mas do que não falava.
Quer dizer, do programa que não apresentava.
Ela pode ter conseguido, entre segunda e terça da semana da eleição, algo entre nove e dez pontos desse grupo.
Aí, saiu a Veja na quinta à noite, nas redes sociais.
Logo em seguida, o boato de que o doleiro tinha sido envenenado, que partiu de deputado da bancada de Beto Richa, na Assembleia do Paraná.
O impacto da Veja começou a ser relevante nas redes sociais.
E se consolidou com a matéria do jornal nacional.
De quinta a domingo, Dilma perdeu oito pontos em São Paulo.
Votos que não tinham ido para ele, e foram.
Foi um impacto brutal – oito pontos – não pelos oito pontos, em si.
Mas, porque eram oito pontos decisivos.
O eleitor da Dilma sabia das denúncias de corrupção, mas votava nela apesar disso.
Mas, os indecisos, não.
Aí, para esses, a denúncia de Veja se tornou realidade no jornal nacional e nas redes sociais.
A penetração pelas redes sociais não foi só dos setores médios e pra cima.
Mas, na Classe C e na base da pirâmide de renda também.
Mas, aí, há uma diferença.
A informação que o leitor recebe na rede social está na fase do “pode ser ou não ser”, porque não houve tempo ainda de ele formar aquele núcleo de sites em que confia.
O jornal nacional, não, o jornal nacional “oficializou a verdade”.
A desconfiança em relação à Globo é altíssima.
O eleitor sabe que a Globo tem lado – é contra a Dilma e o Lula.
Ele sabe de tudo isso.
Mas, isso não significa que o jornal não noticie algumas verdades.
E aquilo que ele viu nas redes sociais pareceu verdadeiro.
E, quando o jornal nacional mostrou, a reação foi: “eu sei que o Bonner é contra a Dilma, mas isso aí é verdade” – pensou a maioria absoluta dos indecisos na cidade de São Paulo.
O jornal nacional não tem credibilidade, mas a corrupção na Petrobrás e a seca em São Paulo – isso fato, é notícia, é verdade …
As redes sociais – aí incluídos os blogs – tiveram muita relevância em 2010, 2014 – é o que demonstra a audiência record do Conversa Afiada – e vão ter mais ainda.
Por enquanto, além de noticiar, os blogs e as redes sociais tem o papel de confirmar o que o navegante já acha.
É uma câmara de eco, um espelho – está vendo ? eu sabia …
O blog é um reforço.
Mas, em 2014, em São Paulo, o blog operou num espaço muito apertado, porque o eleitor já se tinha definido e não queria ouvir o outro lado.
E os indecisos eram poucos.
Qual é a saída?
Processar a Veja, como fez a Dilma, e os criminosos que operaram com ela, como demonstra o Globo, na Carta Capital.
Outra saída óbvia é tirar poder da Globo – e viva a Ley de Medios que a Dilma anunciou ontem (28/10).
E criar alternativa à Globo.
Na televisão e/ou nas redes sociais.
(Essas observações foram extraídas de longa conversa com quem trabalha com o eleitor de São Paulo há muito tempo).

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Globelezação, Imprensa, Poderes ocultos, Podres poderes e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s