Assunto da semana: 66º Primetime Emmy – indicações nas categorias de programação


O panorama do 66º Primetime Emmy nas categorias de programação

Michael Tran/FilmMagic/Getty Images


Mindy Kaling e Carson Daly mandaram Neto e Datena lamber sabão

Chega de Copa. Pelas próximas oito semanas não vai se falar em nada neste espaço que não seja relacionado à 66ª cerimônia de entrega dos Primetime Emmys, que conheceu suas indicações na manhã desta quinta-feira (10). A julgar pelo enorme e comprido escopo de categorias, nos obrigamos a fatiar o pão da principal premiação televisiva por partes. A começar da que concerne ao sindicato dos produtores, o Producers Guild of America (PGA). Não dá para analisar essa ou aquela série pelo ponto de vista de números. Tem que separar.

Lacey Terrell/HBO/Divulgação

Joia da coroa nas áreas mais nobres da festa de premiação, as categorias de melhor série dramática e melhor série cômica apresentam comportamentos totalmente distintos em comparação ao listão do Primetime Emmy 2013. Repito: não dá para mensurar o efeito de produções como Game of Thrones pela quantidade de indicações. 19 é só um número. Entre os dramas, a entrada da novidade de True Detective era jogo mais que previsível. Não adiantaria de nada jogar a favor de Homeland, cuja terceira temporada chegou ao esterco.

Fotos Michele K. Short/FX/Divulgação e HBO/Divulgação

Ausência de forma e conteúdo nos rancores de Carrie Mathison à parte, o segmento cômico apresentou um leve ar de renovação com as inclusões da controversa Orange is the New Black e de Silicon Valley, espécie de The Big Bang Theory da HBO com filtro. Como em comercial antigo de cigarros, já banido para o bem da saúde pública deste país. Nas minisséries e telefilmes, American Horror Story: Coven e The Normal Heart são as apostas de Ryan Murphy para compensar o mau momento de Glee – que recebeu uma só indicação.

John Shearer/Invision/Associated Press/02.03.2014

Nos realities, a divisão dos programas não competitivos em estruturados e não estruturados acaba com uma distorção que vinha desde a instituição da categoria em 2001. Produtores reclamavam quando seus shows não eram indicados. E assim se aliviou a barra dos irmãos Mark e Donnie Wahlberg, agraciados na disputa com Wahlburgers. Na área de competição, nada muda. Oscar, Tony, Golden Globes, abertura dos jogos de Sochi e o horrendo teleteatro de Noviça Rebelde disputam como especiais. Até domingo.

Publicação simultânea com o caderno Notícia da TV do Jornal Meio Norte que circula no domingo (13/7)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Coluna da Semana, Especiais, Minisséries e telefilmes, Premiações, Reality-shows, Séries e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s