Assunto da semana: 66º Primetime Emmy – submissões para melhor minissérie


O panorama das minisséries na cédula de indicação ao 66º Primetime Emmy

David Giesbrecht/Warner Bros. Television/CBS/Divulgação

Mais tranquila que nas séries (cômicas ou dramáticas), a disputa entre as 16 produções que se submeteram à cédula de indicação ao 66º Primetime Emmy de melhor minissérie promete ser mais cômoda, a julgar pela qualidade artística de títulos como Mob City, American Horror Story: Coven e Bonnie & Clyde. Retomada depois de quatro anos, a categoria individual de minisséries incentivou até mesmo redes abertas como a CBS, que apostaram em produções de baixa repercussão como Hostages, pensada para esse fim.

Michele K. Short/FX/Divulgação

Por partes: Primeiro, American Horror Story: Coven (FX, FOX) tem todos os méritos para levar indicação. Fora as partes técnicas, a produção de Ryan Murphy por si só impressiona pela qualidade do teatro de horror ali empregado. É uma Masterpiece da competência artística do gênero, iniciada por Murphy e Brad Falchuk ainda em Murder City, primeira instalação da franquia, levada ao ar em 2011, que encontra na atuação de Jessica Lange seu ponto comum. Deixa Hitchcock ou Stephen King tremerem nos chinelos. Pode ganhar.

A&E/History Channel/Lifetime/Divulgação

Outro ponto-chave na cédula de minissérie é Bonnie & Clyde (Lifetime, A&E, History). Sem deixar nas tamancas o filme de 1967 com Faye Dunaway e Warren Beatty, a reprise dos papéis dos criminosos da década de 1930 feita por Holliday Grainger e Emile Hirsch não fica nada a dever a uma produção ganhadora de Oscar. Retirando-se as atuações, a reconstituição de época é ponto forte para essa produção entrar no rol de indicados, que não deve passar de cinco ou seis, contrariando o prospecto para séries cômicas e dramáticas.

TNT/Divulgação

Por fim, outro coelho a ser considerado da cartola de minisséries nas submissões ao 66º Primetime Emmy (cujas indicações serão conhecidas dentro de uma semana) é Mob City. A excelência com que Frank Darabont (The Walking Dead) retratou a guerra de gangues de Los Angeles nas décadas de 1930 e 1940, liderada por Bugsy Siegel (espécie de pai da Las Vegas dos jogos que se conhece hoje), é um primor na abordagem das rajadas de balas e na iluminação estilo “noir”. “Noir”, mesmo, sem picaretagens estéticas. Até domingo.

Publicação simultânea com o caderno Notícia da TV do Jornal Meio Norte que circula no domingo (29/6)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Coluna da Semana, Minisséries e telefilmes, Premiações e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s