Assunto da semana: No meio (do selfie) desse povo a gente não vai se ver na Globo


Impressões do Oscar carnavalesco de Ellen DeGeneres

Kevin Winter/Getty Images/02.03.2014

Para quem se cansou das baboseiras das coberturas carnavalescas das principais redes abertas, a 86ª festa de entrega (de pizza) do Oscar, realizada no último domingo (2), no Teatro Dolby em Los Angeles, foi um refresco para os olhos que estavam mais interessados no espetáculo de monólogos e trocas de roupa (seis no total) de sua apresentadora, Ellen DeGeneres, 55. Três horas e meia de premiação, dominada por produções como 12 Anos de Escravidão, Gravidade e Clube de Compras Dallas, é pouco para uma análise acurada.

Reprodução/Twitter/Ellen DeGeneres

Com a avenida Marquês de Sapucaí (Rio) empesteada de globais e não globais nos camarotes, restou à turma do mega-selfie de Ellen dizer não à Rede Globo, à Liga Independente das Escolas de Samba (LIESA) e a patrocinadores que queriam a torto e a direito cabeças como a de Bradley Cooper, Meryl Streep ou Julia Roberts. Nos 30 anos do Sambódromo projetado por Oscar Niemeyer, restou ao assinante do canal pago TNT se refugiar (e bem) das chatices das curvas de passistas e afins. Um alívio e tanto.

John Shearer/Invision/Associated Press/02.03.2013


Cantor Jared Leto, do 30 Seconds to Mars, com a estatueta na mão

Vista por 43,7 milhões de telespectadores em território americano, o 86º Oscar (gerado pela ABC para 225 países e territórios em dados da Academia que o organiza) registrou cifras dignas de um ano de Titanic (que arrebatou 11 Óscares em 1998). A despeito de não haver nenhum mega blockbuster impactante favorito a melhor filme, a transmissão da cerimônia dirigida por Hamish Hamilton (intervalo do Super Bowl 48 com Bruno Mars) chegou a níveis aceitáveis para, no mínimo, duas indicações ao 66º Primetime Emmy, em agosto.

Robert Gauthier/Los Angeles Times/02.03.2014

Com o recorde de público batido desde a entrada dos anos 2000, esta edição do Oscar se pautou grosso modo pela pontuação de piadas de Ellen a cada interlúdio de apresentadores de grupo de categorias. Achou, inclusive, de se vestir de fada madrinha (quando o filme homenageado deste ano era O Mágico de Oz e não Peter Pan). Nos atos musicais, destaques para Pink, Idina Menzel, U2, Pharell e seu chapéu de guarda florestal e Bette Midler na homenagem aos mortos. O brasileiro Eduardo Coutinho incluso. Até domingo.

Fotos Kevin Winter/Getty Images/02.03.2014

Publicação simultânea com o caderno Notícia da TV do Jornal Meio Norte que circula no domingo (9/3)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Cinema, Coluna da Semana, Especiais, Eventos, Premiações e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s