Assunto da semana: A nova velha escola da música pop mundial


A festa neo jurássica do 56º Grammy para o Primetime Emmy

Kevork Djansezian/Getty Images/26.01.2014

Nada que se relacione à visita do ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, à construção do aeroporto de São Raimundo Nonato na última terça-feira (28), mas a 56ª festa de entrega do Grammy, realizada dois dias antes a dezenas de milhares de quilômetros dali, no Nokia Theatre de Los Angeles, tinha um quê de coisa rupestre tal qual as pedras da Serra da Capivara. Os cinco gramofones concedidos à disco ressuscitada dos franceses do Daft Punk estão aí para provar. Não para a essência do espetáculo televisivo em si.

Fotos Larry Busacca/WireImage, Kevin Winter/WireImage, Kevork Djansezian/WireImage e Kevork Djansezian/Getty Images/26.01.2014

Naftalina improvisada à parte (vide guitarra do Nile Rodgers, do Chic), a transmissão do Grammy (coordenada pela rede americana CBS para exibição em mais de 190 países) teve momentos que beiravam à teatralidade (caso da acrobacia circense de Pink antes de cantar com Nate Ruess, do fun.), o tosco (a parceria entre o Metallica e o pianista clássico chinês Lang Lang), o burlesco (o dueto inesperado do casal Beyonce e Jay-Z) e o inesperado (a reação pueril da neozelandesa Lorde ao receber a premiação de canção do ano). Variou.

Kevork Djansezian/Getty Images/26.01.2014

Comparação do Daft Punk com a pré-história à parte, a condução de LL Cool J como apresentador (e não como cantor) para a edição 2014 do Grammy não foi um show individual à parte. Vista por 28,5 milhões de telespectadores em toda sua extensão (das 20h às 23h45, hora da costa leste), a premiação eclipsou por completo eventos de menor calibre, como o Pro Bowl da NFL e o casamento do ex-Bachelor Sean Lowe. Ao vivo, ao ar livre e sem chuva na Califórnia. Mas não no Havaí. Teve 630 mil telespectadores a mais em relação a 2013.

Kevin Winter/WireImage/26.01.2014


Loira country-artpop Taylor Swift fez o cérebro pegar no tranco

Com parte considerável dos chamados “programas de classe especial” (terminologia usada nos Primetime Emmys para cerimônias de premiação como esta) já levados ao ar na virada de 2013 para 2014, é de se considerar que o 56º Grammy tenha chances potenciais de indicação. Com prazo de votação já reduzido devido à marcação do 66º Primetime Emmy para a segunda-feira, 26 de agosto, membros da Academia de Artes e Ciências da Televisão e jurados de indicação não terão muito o que pensar antes (e após) o Oscar. Até domingo.

Kevin Winter/WireImage/26.01.2014

Publicação simultânea com o caderno Notícia da TV do Jornal Meio Norte que circula no domingo (2/2)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Canta USA, Coluna da Semana, Música, Premiações e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s