O cenário de horror na educação pública da cidade natal da quinta mais bela do Miss Universo 2013


Sintep-MT: no ninho de Jakelyne Oliveira, maioria das escolas estaduais está em situação de abandono e descalabro

Da redação TV em Análise

Marcos Magalhães/Gazeta MT/16.08.2013


Na foto, guia turística mostra a Carol Alt a Casa dos Horrores

Para provar que a reportagem “A pergunta de Carol Alt no Miss Universo 2013, os índices de analfabetismo em Rondonópolis e o Teatro de Pompeia ‘padrão FIFA’ em Cuiabá“, publicada em 14/11 (quinta-feira), não estava errada (em resposta ao internauta Luiz, que comentou a matéria em questão), o TV em Análise Críticas reproduz abaixo reportagem da jornalista Brenda Marra, do jornal Gazeta MT, publicada originalmente em sua edição eletrônica de 16/8/2013 (6ª feira). É um relato assustador e escabroso sobre os níveis de ensino praticados na rede pública de ensino da cidade de Rondonópolis, terra natal da quinta mulher mais bela do mundo, Jakelyne Oliveira. Atentem:

‘Dossiê’ do Sintep não mudou situação precária em escolas de Rondonópolis
Escola André Maggi ainda não tem quadra de esportes e teve piscina interditada; no Jardim Europa teto está caindo sobre os alunos

Em maio deste ano o Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep) divulgou o “Dossiê das Escolas Públicas do Mato Grosso”. Com fotos e informações colhidas nas escolas, o documento mostrou um cenário de precariedade na infraestrutura das unidades de ensino – várias delas em Rondonópolis. Nesta semana a nossa equipe iniciou um levantamento baseado no ‘Dossiê’ e constatou que quase nada mudou nestes três meses.
Em Rondonópolis a maioria das escolas estaduais está em situação crítica. E o quadro tende a piorar caso não sejam feitas ações concretas para aliar espaços físicos e pedagógicos de qualidade.
A professora Maria Celma Oliveira, presidente da subsede do Sintep, atribui a situação à falta compromisso do Governo com a Educação. “O Governo tem recursos para realizar as reformas. Ocorre que, muitas vezes, as empreiteiras fazem projetos mal executados, abandonam as obras, solicitam aditivos de verbas e não concluem o serviço. Falta fiscalização sobre o destino do dinheiro público”, disse Celma.
O dossiê também foi entregue para o Ministério Público Estadual (MPE), Tribunal de Contas (TCE), Assembleia Legislativa e Conselho Estadual de Educação. Porém, até o momento, não houve nenhuma manifestação do governador Silval Barbosa (PMDB) e nem do secretário estadual de Educação, Ságuas Moraes (PT).

Exemplo

A Escola Estadual André Maggi ,que é relativamente nova e deveria ser uma ‘escola modelo’, é um exemplo do descaso denunciado pelo Sintep. Inaugurada em setembro de 2005 como um protótipo de “Escola Atrativa’, foi entregue inacabada, sem o ginásio poliesportivo ou a piscina semi-olímpica (25 metros).
A piscina construída tem apenas 20 metros e não pode receber competições por não atender os padrões oficiais. Além disso, está com rachaduras e não tem instalações para o escoamento. Após a filtragem, a água era despejada na rua e causava alagamentos. Por causa disso a escola recebeu uma notificação da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMA) e, sem recursos para efetuar a obra, teve de suspender o uso.
A escola também tem problemas de rachaduras nas paredes, desabamento de teto e falta de lugar para as aulas de Educação Física. As aulas são dadas de maneira inadequada, no gramado na frente da escola. Os alunos ficam expostos ao sol e, quando chove, ficam sem aulas.

Jardim Europa

A situação é ainda pior na escola estadual Carlos Pereira, no Jardim Europa. A construção da quadra poliesportiva teve licitação aprovada há quatro anos. As obras até começaram, mas só foi feita a cobertura da obra. Neste ano foi contratada uma outra empreiteira para terminar a obra, porém, só fizeram o piso de cimento de abandonaram a obra, alegando que o dinheiro acabou.
A direção da escola enviou alguns ofícios cobrando da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) o término da obra. A Seduc informou que o repasse das obras foi feito à empreiteira mas não obtiveram nenhuma solução.
A escola está com o teto desabando, cheio de cupim. Os funcionários revelaram que recentemente parte do teto caiu sobre a cabeça de uma criança e provocou ferimentos.
A rede elétrica também precisa ser substituída por uma nova, já que não suporta a instalação dos aparelhos de ar-condicionado adquiridos pelo Estado.
“Nós não temos espaço na cozinha para preparar a merenda, não tem refeitório, o telhado precisa ser trocado, os banheiros estão quebrados. Não temos, por exemplo, espaço para atender os alunos que precisam de aulas do apoio. Ficamos improvisando”, destacou a coordenadora Patrícia Karina Barbosa.
Para a presidente da subsede do Sintep Maria Celma, a expectativa é que esses problemas possam ser solucionados para impedir danos maiores às crianças e jovens de Mato Grosso.
“Do jeito que estão, as escolas não oferecem atrativos aos alunos e isso aumenta a evasão escolar. É preciso que o governo faça o que tem que ser feito”, afirmou.

Abaixo, as imagens de horror no ensino público de Rondonópolis que Mel B, Thomas Roberts, Alicia Quarles (ela mesma jornalista) e Carol Alt (ela mesma ex-modelo e filántropa) não viram nem nas preliminares, muito menos na final televisionada do Miss Universo 2013:

Fotos Marcos Magalhães/Gazeta MT/16.08.2013

Em tempo: No dia 12 de janeiro, o Críticas já alertara para a tragédia que seria a eleição de Jakelyne Oliveira como Miss Brasil 2013. Sem fluência no idioma de Shakespere, Ruben Studdard e Claire Danes, a moradora ilustre do Jardim Europa, em Rondonópolis, confundiu restrições aos direitos das mulheres de dirigirem carros em países islâmicos notórios por violar direitos humanos (caso da Arábia Saudita, que adota a cimitarra como pena de morte – poderia servir para FHC e seus aliados) com direitos das mulheres de comandarem corporações e países, Deu no que deu. Imagina se a Suzanne von Richtofen estivesse em seu lugar… (J.E.L.).

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Mondo cane, Nossas Venezuelas, Projetos especiais e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O cenário de horror na educação pública da cidade natal da quinta mais bela do Miss Universo 2013

  1. Pingback: No PNT, concurso Miss Brasil dá mesma audiência que novela Sabor de Mel e séries de terror juvenil da The CW The Vampire Diaries e The Originals | TV em Análise Críticas

  2. Pingback: Perseguição da Globo ao Tijolaço torna ainda mais atual sanha terrorista e autoritária fracassada de ex-coordenadora do Miss Brasil no MS contra o Críticas em 2014 | TV em Análise Críticas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s