Produtor de Homeland confirma: Chevron deu mesmo propina a jurados do Miss RJ 2013


Alex Gansa confirmou denúncia do Críticas em entrevista ao jornalista Augusto Nunes, da TV Cultura de São Paulo

Da redação TV em Análise

Sua vida burguesa [Orama e Serra] é um romance
Um roteiro de intrigas pra Fellini filmar

(Lobão, Arnaldo Brandão e Tavinho Paes in Rádio Blá, do álbum Vida Bandida, RCA Victor, 1987)

Getty Images/23.09.2012


Gansa, com o Emmy do ano passado na mão: roteiro de intrigas e corrupção missológica para o produtor de Homeland filmar

Um dos maiores escândalos de corrupção da história recente dos concursos de misses no Brasil começa a ganhar contornos de crime mais hediondo que o caso da jovem paulista Bianca Consoli, reportado por duas vezes no Domingo Espetacular da Rede Record. Em entrevista ao programa Roda Presa da TV Globo de São Paulo, exibido na noite desta terça-feira (27), o produtor da série terrorista do canal norte-americano Showtime Homeland Alex Gansa apresentou documentos oficiais que evidenciaram a participação da multinacional petrolífera Chevron no esquema de distribuição de propinas aos jurados do concurso Miss Rio de Janeiro 2013, realizado no dia 10 de agosto na capital fluminense.
Gansa confirmou as denúncias feitas pelo TV em Análise Críticas em reportagem publicada no último dia 12 de agosto de que a Chevron ofereceu R$ 90 mil a cada um dos jurados da etapa fluminense do concurso Miss Brasil 2013, válida pela disputa do título de Miss Universo. O produtor de TV elogiou a coragem do Críticas em noticiar o que descreveu como “um escárnio para um país em franca ascensão econômica, prestes a virar potência econômica mundial”. “Estou horrorizado com a magnitude disso”, afirmou.
De acordo com a reportagem, representantes da Chevron teriam deixado pacotes de envelopes com dinheiro destinado aos jurados do Miss RJ 2013, entre eles personalidades como o apresentador Jorge Perlingeiro, o carnavalesco Milton Cunha e a Miss RJ 2012, Rayanne Morais. Uma fonte da organização do certame informou ao Críticas que os envelopes que compunham o kit-propina foram interceptados por seguranças na porta da Cidade do Samba (zona portuária do Rio) antes que fossem entregues aos jurados. A direção do concurso Miss Rio de Janeiro nega qualquer tipo de recebimento de propina destinada aos jurados. Não foi feita ocorrência policial do caso.
A Chevron é a empresa responsável por operar a plataforma Sedco706, que provocou um vazamento de 2.400 barris de petróleo do Campo de Frade, na Bacia de Campos, em novembro de 2011. Um ano antes, o site Wikileaks descobriu documentos que mostravam que o candidato derrotado à Presidência da República José Serra (PSDB) prometera, se eleito, entregar todos os ativos da Petrobras à multinacional americana.

‘Ianques querem Orama como Miss Brasil 2013’, acusa Gansa

Durante a entrevista, Alex Gansa também confirmou que o dinheiro da propina da Chevron era mesmo destinado à candidata da cidade de Campos dos Goitacazes, a eletrotécnica Orama Valentim, funcionária da OneSubsea (empresa que também tem contratos com a Chevron na Noruega), que acabaria vencendo o certame estadual, entre 19 candidatas. “A própria Chevron, através do esquema notado no Miss Rio de Janeiro, deu provas de que está mesmo interessada na eleição da Orama Valentim como Miss Brasil 2013”, afirmou o produtor.
De acordo com seu site, a OneSubsea é uma empresa sediada em Houston (Texas) e possui escritórios em todo o mundo, inclusive na própria região da Bacia de Campos (onde Orama trabalhava antes de ser eleita Miss Rio de Janeiro 2013).
Na avaliação realizada entre as 26 candidatas já eleitas para a disputa do título de Miss Brasil 2013, divulgada pelo Críticas no último dia 18 de agosto, Orama aparece na liderança.
Caso vença o concurso nacional, previsto para o dia 28 de setembro, em Belo Horizonte, Orama deverá participar do Miss Universo 2013, marcado para a madrugada de 9 de novembro (hora local), em Moscou.

Reprodução/Facebook


Orama: Miss Rio de Janeiro colonizada

Eu aprendi: a vida é um jogo
Cada um por si e Deus contra todos
Você mai morrer e não vai pro Céu
É bom aprender: a vida é cruel
Homem primata
Capitalismo selvagem

(Sérgio Brito, Marcelo Fromer, Nando Reis e Ciro Pessoa [Titãs], in Homem Primata (Capitalismo Selvagem), do álbum Cabeça Dinossauro, WEA, 1986)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Força da Grana, Nossas Venezuelas, Poderes ocultos, Podres poderes, Projetos especiais, Todas as Venezuelas do mundo e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s