EXCLUSIVO: Chevron ofereceu propina a jurados para eleger Orama Valentim como Miss RJ 2013


Multada e punida pela ANP, empresa que opera plataforma responsável por megavazamento ocorrido em 2011 ofereceu R$ 90 mil para noiva de Latino votar em campista

João Eduardo Lima
Editor e criador dos blogs TV em Análise

“Pode vir quente que eu estou fervendo”.
(Anthony Garotinho fazendo o Tremendão Erasmo Carlos tremer nas bases e chamando os ex-patrões do pai da Morena Baccarin às falas)

Adriano Ishibashi/Frame/Estadão Conteúdo/10.08.2013


Orama: vazamento de cheques para subornar miss noiva do Latino

A liderança da eletrotécnica campista Orama Valentim (funcionária de uma empresa multinacional) na avaliação que o TV em Análise Críticas divulgou após sua eleição como Miss Rio de Janeiro 2013 começa a ser posta em xeque após uma denúncia recebida pela redação do blog na tarde deste domingo (11) de que a multinacional petrolífera norte-americana Chevron teria oferecido R$ 90 mil a cada um dos jurados da etapa local do Miss Brasil 2013, que credencia a vencedora à disputa do título de Miss Universo.
Segundo o denunciante, que pediu para não ter sua identidade revelada, representantes da multinacional petrolífera teriam deixado pacotes com kits-propina endereçados à Cidade do Samba (zona portuária do Rio) e destinados à Miss RJ 2012, Rayanne Morais, que compunha a banca julgadora ao lado de nomes como o carnavalesco Milton Cunha e o apresentador de TV Jorge Perlingeiro (também prováveis beneficiários da tentativa de fraude, orquestrada por setores do PSDB interessados na eleição da candidata de Petrópolis, a Panicat Renata Molinaro e em derrubar a prefeita Rosinha Garotinho, ela mesma, ex-miss). Dias antes do concurso, Rayanne teria sido apresentada a representantes da Chevron e do PSDB junto com o noivo, o cantor Latino, justamente para acertar a propina “para uma das candidatas”. Um dos coordenadores do Miss RJ interceptou o pacote da Chevron ainda na entrada da Cidade do Samba e teria expulso os plutocratas americanos aos gritos (inclusive com palavras de baixíssimo calão, impublicáveis).
Em nota à redação do Críticas, a coordenação do concurso Miss Rio de Janeiro disse desconhecer a existência de qualquer envelope contendo suborno a seus jurados, uma vez que as notas do certame são auditadas por uma firma independente. Procurada, a Enter-Entertainment Experience, empresa de eventos da Band, não quis se manifestar sobre a suposta propina para a eleição da representante do Rio no Miss Brasil 2013. No entanto, uma fonte ligada ao ex-coordenador do Miss Brasil, Boanerges Gaeta Jr., chamou a apuração do Críticas de “torpe”, “vulgar” e “escrota”, entre os termos que podem ser publicados.

Intimidades com o projeto neoliberal de destruição do Brasil

Em dezembro de 2010, o site Wikileaks confirmou as ligações da Chevron com o PSDB, ao descobrir documentos que mostram que o então candidato à Presidência José Serra prometeu entregar à empresa norte-americana toda a exploração do pré-sal no litoral brasileiro. E mais: venderia à Chevron todos os ativos da Petrobras sem licitação (distribuidora, petroquímica, exploração de petróleo e transportes).
Em novembro de 2011, o vazamento de 2.400 barris de petróleo da plataforma Sedco706, operada pela Transocean (empresa também responsável pela Deepwater Horizon, que causou o desastre ambiental no Golfo do México) no Campo de Frade, na Bacia de Campos, fez a ANP (Agência Nacional do Petróleo) suspender as atividades da multinacional no país, após autuações feitas pelo Ibama e processos judiciais no valor de R$ 20 bilhões. “E a imprensa, tão zelosa e meticulosa quando se trata da nossa Petrobras, certamente não está dando pouca importância ao caso por se tratar da Chevron, uma multi com boas reações de diálogo com o senhor José Serra, como revelou o Wikileaks”, assinalou à época o blogueiro Fernando Brito, do Tijolaço. Sentença essa que parece se aplicar à Band (em associação com a Globo) e suas misses.

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Corrupção nos concursos de beleza, Força da Grana, Nossas Venezuelas, Poderes ocultos, Podres poderes, Projetos especiais e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

13 respostas para EXCLUSIVO: Chevron ofereceu propina a jurados para eleger Orama Valentim como Miss RJ 2013

  1. Theo Erthal disse:

    Vocês estão viajando na maionese, para não dizer outra coisa. rsrsrsr

    • João Lima disse:

      Não estamos viajando na maionese coisa nenhuma, Theo: as denúncias são gravíssimas e serão mantidas como estão. pois envolvem PSDB, Chevron e amigos camaradas da imprensa conservadora – além da Band, que promove o certame, a Globo, a Folha, a ESPN Brasil, o Estadão, a Veja

      A redação do Críticas

  2. Pingback: A política de moderação de comentários do Críticas, para os latinetes de plantão lerem | TV em Análise Críticas

  3. Pingback: O caso Orama Valentim e os negócios escabrosos do PSDB em São Paulo | TV em Análise Críticas

  4. Pingback: Produtor de Homeland confirma: Chevron deu mesmo propina a jurados do Miss RJ 2013 | TV em Análise Críticas

  5. Pingback: Um ano depois de Olivia Culpo ter sido eleita Miss Universo, surgem novos detalhes da corrupção no certame em 2012 e 2013 | TV em Análise Críticas

  6. Pingback: Para 62,5% dos internautas, Rede Globo pagou eleição de matogrossense Jakelyne Oliveira como Miss Brasil 2013 | TV em Análise Críticas

  7. Thiago disse:

    Deixa eu só esclarecer uma coisa: Orama não é funcionaria da Chevron e sim da Cameron.
    Outra coisa: A NOIVA DE LATINO não foi jurada, e sim comentarista e participou coroando a bela campista que venceu por unanimidade com votos da MISS BRASIL 2012 arqui-inimiga da Latinete.
    Cuidado para não levarem um processo na lata a toa hein.

    • João Lima disse:

      Thiago, seu imbecil: Orama é funcionária da OneSubSea, empresa prestadora de serviços à Chevron. A informação está no corpo da matéria Produtor de Homeland confirma: Chevron deu mesmo propina a jurados do Miss RJ 2013, publicada pelo TV em Análise Críticas em 28/8/2013. E, para seu conhecimento, seu boçal, basta googlar “orama valentim onesubsea”. Portanto, Orama é sim colaboradora indireta da Chevron que, em conluio com a Band, a Rede Globo, a coligação PSDB-PSB-CIA-PFL-PDS-Arena-UDN da Rachel (Welch) Sheherazade e a Trump Organization, quer comprar a Petrobras do governo brasileiro a preço de banana.

    • João Lima disse:

      E mais uma coisa: Rayanne foi jurada sim do Miss RJ 2013, como atesta matéria do R7 e de outros veículos de comunicação.
      Abaixo, trecho do texto do blog Tudo Miss e Tudo Mais, publicado em 12/8/2013:

      O carnavalesco Milton Cunha, o apresentador Jorge Perlingeiro e a miss Rayanne Morais formaram o time de jurados que escolheu a nova representante.

    • João Lima disse:

      E mais uma coisa, seu estelionatário: quem vai levar processo e vc, traidor da Pátria! Imbecil! Escroto!

      Ass. Polícia Militar da Bahia

    • João Lima disse:

      Extraído do NaTelinha:

      Tribo indígena processa Band por reportagem sobre briga de terras

      Membros da tribo indígena Tupinambá, que vivem no interior da Bahia, estão bastante revoltados com a Band por causa de uma reportagem sobre a briga de terras com empresários do agronegócio na região.
      Representantes da tribo protocolaram na última quarta (09) um processo pedindo direito de resposta dentro do Jornal da Band, devido à matéria que foi exibida em março.
      O processo tem autoria da comunidade indígena Serra do Padeiro e do cacique Rosival Ferreira de Jesus. A comunidade se sentiu ofendida com o teor e o jeito com que a reportagem foi exibida, praticamente incitando a violência contra a tribo. “A matéria tinha uma clara medida: incitar o ódio e a violência da sociedade contra os povos indígenas”, disse o Cacique no processo.
      Segundo ele, a Band usou de termos caluniosos e chulos, para acusá-los de crimes de assassinato e invasão de propriedade privada. “O Grupo Bandeirantes parece desconhecer ou evitar conhecer o massacre dos Tupinambá ao longo da história, para difundir histórias inventadas: escondendo o verdadeiro conflito e massacre na região”, concluiu o Cacique.
      Ainda não há uma previsão de quando o processo será julgado.

  8. Pingback: Empresa em que trabalha ex-Miss Rio de Janeiro Orama Valentim tem queda de ação na NYSE. Vão me intimidar? | TV em Análise Críticas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s