O impasse da NBC e de Donald Trump na renovação do Miss Universo e do Miss USA a partir de 2014


Maneiras de como NÃO renovar os direitos de transmissão de um concurso de beleza

João Eduardo Lima
Editor e criador dos blogs TV em Análise

Joe Klamar/AFP/19.12.2012

oliviaculpo_coroacaomu201201
Sucessora de Olivia Culpo corre risco de coroar sucessora na CBS em 2014

Começaram a entrar algumas pedras no processo de negociação da renovação do contrato multianual de transmissão dos concursos Miss Universo e Miss USA pela rede americana NBC. Após a eleição de Olivia Culpo como Miss Universo 2012, emissários de Robert Greenblatt, chefe do Entretenimento da emissora, teriam pedido um adiantamento de US$ 40 milhões de luvas pela pewrmanência dos dois concursos na NBCUniversal, bem como de sua joint-venture. Ruim para mais de metro.
Segundo fontes independentes ligadas à MUO, Greenblatt teria exigido de Trump o pagamento, em espécie, da quantia para renovação imediata do Miss Universo e do Miss USA, com o intuito de fortalecer a divulgação dos concursos de misses sob sua propriedade nas 19 emissoras a cabo da NBCUniversal. Para interlocutores ligados à presidenta da MUO, Paula Shugart, Greenblatt baixou o nível durante a apresentação da nova Miss USA, Nana Meriwether, no dia 11 de janeiro. Soltou palavrões caso Trump não anunciasse logo a renovação contratual do Miss USA-Miss Universo. Trump não atendeu o pleito de Greenblatt e mandou o número 1 do Entretenimento da NBC ir catar coco em Itacaré. Frequentar um Sunabão, na Piçarra, para aprender a agir direito como comerciante. Tal qual a Kourtney Kardashian e seu tino empresarial (perto dela, o Scott Disick é um incompetente).
Na real, Trump quer que Greenblatt se distancie dos negócios envolvendo a MUO e a Trump Organization e fique na sua, tentando salvar a agonizante trama médica Do No Harm do cancelamento. “Há coisa mais importante a resolver, seu irresponsável”, teria dito Trump a um representante de Greenblatt na coletiva de promoção de Olivia Culpo a Miss Universo 2012 (o concurso que a elegeu ocorrera em 19 de dezembro do ano passado, mas sua presença se tornou necessária para entronizar Meriwether como Miss USA).
Se prevalecerem as baixarias comerciais entre a organização de Donald Trump e os executivos da NBC, o concurso, já a partir de 2014, corre o risco de ir para outra freguesia. A CBS (que exibiu o Miss Universo de 1960 a 2002 e o Miss USA de 1965 a 2002) está de olhos bem atentos.

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Força da Grana, Projetos especiais, Todas as Venezuelas do mundo e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O impasse da NBC e de Donald Trump na renovação do Miss Universo e do Miss USA a partir de 2014

  1. Pingback: A audiência americana da quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013 | TV em Análise Críticas

  2. Pingback: EXCLUSIVO: Contratos de transmissão dos concursos Miss América, Miss USA e Miss Universo estão perto do fim | TV em Análise Críticas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s