Assunto da semana: os vencedores do 64º Primetime Emmy Awards


O saldo final da feira de Homeland e Modern Family nos Emmys

Lucy Nicholson/Reuters/23.09.2012

https://i2.wp.com/veja4.abrilm.com.br/assets/images/2012/9/98816/emmy-awards-premiacao-20120924-26-size-598.JPG
Julianne Moore para Sarah Palin: “e ‘a salária’, ó…”

Fatura liquidada, Homeland, Modern Family e Game Change ditaram o tom da premiação do 64º Primetime Emmy Awards, realizada no último domingo (23), em Los Angeles. Quatro estatuetas para cada lado, a trama terrorista de Claire Danes (confirmando as apostas para atriz dramática), a direção competente de Steven Levitan e o gesto negativo de Julianne Moore para Sarah Palin sobraram no enredo.

Lucy Nicholson/Reuters/23.09.2012

https://i0.wp.com/veja4.abrilm.com.br/assets/images/2012/9/98823/emmy-awards-premiacao-20120924-31-size-598.JPG
Lewis, Danes (escondida) e Gansa (discursando): favoritos desde o início

No escopo de premiações da temporada televisiva americana 2011-2012, Homeland foi a única nova produção que conseguiu sair de ponta a ponta, com ao menos uma premiação. Jornada essa iniciada nos Golden Globes e concluída agora para a primeira temporada. Como já se previa, pesaram o roteiro de Alex Gansa e companhia e as atuações de Danes e do inglês Damian Lewis para acabar com a festa de Mad Men na premiação final de drama. Ponto.

Lucy Nicholson/Reuters/23.09.2012

https://i2.wp.com/veja1.abrilm.com.br/assets/images/2012/9/98824/emmy-awards-premiacao-20120924-32-size-598.JPG
Agora sim, TODA a crítica de Hollywood adora Modern Family

Após dois anos enfrentando a resistência da crítica internacional (que amava Glee nos Golden Globes), Modern Family pôde, enfim, fazer a feira completa de sua terceira temporada no campo das premiações televisivas. Embora tenha perdido em roteiro para o comediante Louis C.K. (Louie), a sitcom saiu beneficiada na área de atuação coadjuvante, ponto mais forte para Julie Bowen e Eric Stonestreet.

Kevin Winter/Getty Images/23.09.2012

https://i0.wp.com/veja1.abrilm.com.br/assets/images/2012/9/98818/emmy-awards-premiacao-20120923-25-size-598.jpg
Lange é o que sobrou das 17 indicações de AHS ao Primetime Emmy

Virada emocionante de jogo aconteceu na área de minisséries e telefilmes. Para quem acreditava numa lavada da tensa American Horror Story (reduzida a Jessica Lange), o Game Change (HBO) da ex-governadora do Alaska foi decisivo para adiar as aspirações de Ryan Murphy nesse campo para o ano que vem. AHS: Asylum vem aí. Melhor e mais intenso. Como o ano novo da TV norte-americana. Até domingo.

Publicação simultânea com o caderno Notícia da TV do Jornal Meio Norte que circula no domingo (30/9)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Coluna da Semana, Minisséries e telefilmes, Premiações, Séries e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s