Reforma fiscal na República Dominicana: a Miss Universe(*) Organization e Greenblatt, enfim, caíram na real


Proposta para sede do Miss Universo(*) 2012 é reduzida pela metade

João Eduardo Lima
Editor e criador dos blogs TV em Análise

Uma notícia do jornal portorriquenho Primera Hora, publicada nesta quarta-feira (12), enfim fez acordar os diretores da Miss Universe Organization e do Entretenimento da NBC para a realidade, tomarem semancol: com cortes impostos pelo FMI e amplo amparo do setor hoteleiro, a candidatura de Punta Cana (essa que está valendo) segue firme como uma pedra. Despacho da agência de relações públicas que serve à MUO, a Rubistein, injetou um pouco mais de ânimo nos missólogos mais otimistas quanto à realização do concurso Miss Universo(*) 2012. Pudera: esse passo na negociação é vital para que a Alfred Haber Distribution possa confeccionar seu catálogo para a MIPCOM, em Cannes, já contando com o certame para efeitos de vendas internacionais.
Shoulda, coulda. Pelas novas projeções monetárias da MUO, serão cobrados agora do Ministério do Turismo da República Dominicana US$ 6 milhões (algo em torno de R$ 12 milhões, bem menos que os R$ 68 milhões torrados pelo consórcio Band-PSDB-DEM-PPS na organização do Miss Universo 2011, às márgens fétidas do rio Tietê).
Sem os abusos financeiros cometidos pela Rede Globo e pelo Grupo Bandeirantes em conluio com o Palácio Band e até mesmo o Governo do Distrito Federal (que nada tinha a ver com o Miss Universo[*] 2011), a edição 2012 do Miss Universo, obedecendo à realidade econômica local (a da República Dominicana) caminha para ser uma das mais bem produzidas (já estão de olho em profissionais de palco, edição de vídeo e de iluminação que trabalharam no Grammy e no Victoria’s Secret Fashion Show, ambos da CBS). É essa gente que costuma receber indicação técnica no Primetime Emmys. Para Bob Greenblatt, o Miss Universo sob seus braços no Entretenimento da NBC não pode ser um espetáculo chinfrim. A menos que tenha uma tal de Amélia Vega cantando uma porcaria qualquer.

Reprodução

https://i2.wp.com/4.bp.blogspot.com/--ax-eZIlYyE/TdCsXX3vEnI/AAAAAAAAAEA/wOaL0H9k_JA/s1600/semancol2.png
Na foto, um CD da Cláudia Leitte

(*)Na teoria, a Band é dona dos direitos de transmissão do concurso Miss Brasil e de seus concursos estaduais quando, na prática, estes pertencem à Globo (que desde 1990 paga para não transmití-lo). É a mesma coisa que a emissora da famíglia Marinho fez (e ainda faz) com as séries da FOX, como Glee, Bones, Burn Notice e outras (fora as animações)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Força da Grana, Jóia da coroa, Numb3rs, Projetos especiais, Todas as Venezuelas do mundo e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s