Dossiê do Críticas: os 20 anos da negociata fracassada entre Marlene Brito, a Miss Universe Inc. e a Rede Globo


Série de reportagens do Críticas desvendará até terça-feira os meandros da negociata entre a Most of The Brazilian Beauty e a emissora da famíglia Marinho para esconder os concursos de misses da mídia brasileira durante boa parte da década de 1990. Na matéria de hoje, os bastidores da negociação fracassada entre a Globo e a Miss Brasil(*) 1989, Flávia Cavalcante, para trocar seu reinado em concurso de beleza promovido pelo SBT por papel em novela collorida das oito escrita por Cassiano Gabus Mendes

João Eduardo Lima
Editor e criador dos blogs TV em Análise

Agilberto Lima/AE/15.03.1990

https://i1.wp.com/i1.r7.com/data/files/2C92/94A4/2765/2558/0127/66E4/AFCF/24CE/collor%20toma%20posse%20700x525.jpg
No parlatório do Planalto, o começo da destruição do “sonho de miss” de Sílvio Santos e de sua esquadra

Rio de Janeiro, 15 de março de 1990. Na sede da Rede Globo, no Jardim Botânico, mais especificamente em sua Central de Jornalismo (ainda dirigida pelo hoje falecido Armando Nogueira), otimismo aparente com a posse do primeiro presidente civil eleito em 29 anos, Fernando Collor de Mello, cuja vitória só foi possível graças ao apoio da emissora camuflado em reportagens do jornal nacional, numa edição deturpada do debate final realizado na sede da Band e em uma edição simpática do globo repórter, realizada três anos antes sobre os governadores eleitos em novembro de 1986 e reprisada antes do programa do Chacrinha (1917-1988) para atrair votos (e a audiência vespertina de sábado). O que não se notava era que, a 1.600 km dali, em Brasília, Sílvio Santos desfilasse em cima do Congresso Nacional sob um sol torrefante que o colocava em prestígio junto ao novo governo. Mal sabia Sílvio que, 12 dias antes da posse de Collor, os Estados Unidos já haviam eleito sua representante no Miss Universo 1990, cuja data àquela altura já estava fixada em 15 de abril, como você pode ver no vídeo abaixo:

Leeza Gibbons foi bem clara no minuto 4:50: o Miss Universo daquele ano (1990) não seria realizado em maio (como era praxe desde 1987 e voltaria a ser de 1991 a 2002 e em 2005 e 2007) e sim em abril. Não para atender compromissos das emissoras norte-americanas com a FIFA para a transmissão da Copa do Mundo da Itália (TNT e ESPN), muito menos para colocar a Carole Gist na torcida pelos Estados Unidos na Itália. Até porque o soccer masculino local pré-David Beckham e pós-Pelé era uma porcaria. Não havia campeonato tampouco liga nacional (a Major League Soccer só seria criada em 1996). Sua seleção de futebol era uma mediocridade. Tal qual a de Neymar, Felipe Melo e Paulo Henrique Ganso nos dias atuais. Para desatenção do SBT, Flávia Cavalcante, ainda reinando como Miss Brasil 1989, fora sondada pela Globo para fazer um dos papéis principais femininos (posteriormente dado à atriz Luma de Oliveira) na novela Meu Bem Meu Mal, substituta de Rainha da Sucata, cuja pré-produção começava a ser trabalhada para estrear em outubro.
Três dias depois da posse tumultuada de Collor em Brasília (regada a confisco de poupanças, mudança de moeda – cruzado novo revertido para cruzeiro, numa operação batizada por Joelmir Betting de “Desculpe a Nossa Falha” e extinção de estatais como a Embrafilme e outras), a então coordenadora geral da etapa brasileira do Miss Universo para o SBT, Marlene Brito, foi chamada à sede da Globo no Rio para tratar de “um assunto muito importante”, como diriam os calunistas políticos e pseudo-colonistas(**) televisivos e de celebridades da direita reacionária anti-Lula e anti-Dilma: a renúncia de Flávia ao título de Miss Brasil 1989 em favor de um papel na próxima novela das oito, escrita a toque de caixa por Cassiano Gabus Mends (1929-1993). Não se tratava de visita de cortesia e sim de uma viagem de negócios: nas barbas de Guilherme Stoliar, de Luciano Callegari, de Sílvio e do próprio SBT, Marlene foi negociar a destituição da segunda representante do Ceará a vencer o Miss Brasil com a emissora que arquitetou (com Jorge Serpa e Armando Falcão), se amamentou e cresceu (via antenas de microondas da Embratel, privatizada no [des]governo FHC) com o golpe militar de 1964 (do qual Collor é uma de suas crias – foi prefeito biônico de Maceió de 1979 a 1982, deputado federal pelo PDS, antiga Arena, futuro PFL e sustentáculo do atual DEM e herdaria do pai, Arnon de Mello [1911-1983], a concessão da Rede Globo em Alagoas via TV Gazeta de Maceió). Como consequência, o SBT, a pretexto de cortar gastos em decorrência das medidas de choque adotadas pelo Plano Collor I, demitiu 324 funcionários a três dias da realização do Miss Universo 1990, no Shubert Theatre, em Century City, Los Angeles (Califórnia), dentre eles a cantora e apresentadora Simony, a jornalista Kátia Maranhão e a própria Marlene, coordenadora do Miss Brasil, posta de aviso prévio após o encontro com Roberto Irineu Marinho, um dos três então vices-preseidetes das Organizações Globo. Ironicamente, Roberto Irineu é casado no presente dia com uma ex-competidora do Miss Brasil promovido pelo SBT, Karen Villen Baum, eleita Miss São Paulo em março de 1987.

Fotos Reprodução/Universo das Misses e Divulgação/Playboy

https://tvemanalisecriticas.files.wordpress.com/2012/01/flavia03.jpg?w=224https://i0.wp.com/img.terra.com.br/i/2010/10/19/1680985-3174-atm14.jpg
A atriz fracassada e sua substituta

A demissão de Marlene Brito foi um duro golpe para o projeto do SBT em eleger uma Miss Universo brasileira ainda durante a década de 1990. Tanto é que já contava com o apoio de algumas afiliadas (entre elas a TV Itapoan da Bahia, hoje propriedade da Rede Record, e a TV Jornal do Recife) para tentar corrigir os erros verificados nas edições 1988 e 1989 do concurso Miss Brasil. Também pôs abaixo o plano do Grupo Sílvio Santos de trazer uma edição do Miss Universo para o país (perdeu a sede de 1982 para Lima, no Peru). Contra a ideia do SBT realizar uma edição do Miss Universo no Brasil estava a Globo, o tempo todo, com suas doutrinas editoriais e sua programação alienante, entre novelas e telejornais, direcionados a amaciar governantes de direita e satanizar movimentos sociais, como o MST, e centrais sindicais, como a CUT.
***
Já desempregada, em 30 de maio de 1990, segundo os registros da Junta Comercial de São Paulo, Marlene Brito formou a The Most of Brazilian Beauty, empresa encarregada de organizar, produzir e coordenar o concurso de Miss Brasil válido pelo Miss Universo. Segundo apurou o Críticas, Marlene formou a Most of Brazilian Beauty a pedido de Roberto Irineu Marinho, para retribuir o “favor” que o SBT havia lhe prestado em demití-la através de nota de jornal (neste caso, da colona[*] de Ferreira Netto, notório aliado da Globo, de Collor e do regime militar). O contrato com a Miss Universe Inc., no entanto, só foi firmado em 3 de agosto de 1990, quando a participação brasileira no concurso daquele ano já estava perdida: a norueguesa Mona Grudt fora coroada ante 70 candidatas. Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela mandaram suas representantes. O Brasil, por manobra da Globo feita contra o SBT, não.

Na reportagem de amanhã: O último suspiro de miss do SBT e a esganadura do Revenge de Marlene Brito contrs seus ex-patrões

(*)Na teoria, a Band é dona dos direitos de transmissão do concurso Miss Brasil e de seus concursos estaduais quando, na prática, estes pertencem à Globo (que desde 1990 paga para não transmití-lo). É a mesma coisa que a emissora da famíglia Marinho fez (e ainda faz) com as séries da FOX, como Glee, Bones, Burn Notice e outras (fora as animações)
(**)Convém lembrar que colona não tem nada a ver com cólon da Gyselle Soares. Tratam-se de colonistas que, na visão de Paulo Henrique Amorim, “…tratam o Brasil da perspectiva do que imaginam que a Metrópole imaginaria o Brasil. No caso específico de Gaspari, ele trata o Brasil da perspectiva do que imagina que os professores de Harvard pensariam do Brasil e dele…”. Para o Críticas, tratam-se de colonistas sociais que tratam o Brasil como um combinado de Venezuela em termos missológicos com um Sudão em termos econômicos, sociais, de infra-estrutura (vide a campanha que a Globo e a Band fazem contra a Copa de 2014 e as Olimpíadas de Verão de 2016 por causa dos aeroportos) e de educação. Mais: tratam-se de colonistas sociais, calunistas de sites de celebridades, de jornais facistóides e de revistas de entretenimento que jamais reconhecerão Haley Reinhart, James Durbin, Scotty McCreery e Lauren Alaina, finalistas do American Idol em 2011, como promessas da indústria fonográfica. Preferem a Paula Fernandes, o Neymar, o Elano, o Luan Santana, a Nayla Micherif, a Mariana Rios, namorada do Di do NXZero e a Giovanna Lancelotti, namorada do Pê Lanza do Restart, ambas empregadas da Rede Globo, à Pia Toscano, ao Paul MacDonald, ao Ruben Studdard, à Lindsey Vonn, ao Johnny Weir, ao Clay Aiken, ao Francis Lopes, ao saudoso Raimundo Soldado, ao Israel Lucero, ao LeeDewyze, ao Goffredo da Silva Telles Jr., autor da Carta aos Brasileiros de 1977, à Sarah Michelle Gellar….

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Globelezação, Imperialsmo midiático, Imprensa monopolista, Nossas Venezuelas e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

27 respostas para Dossiê do Críticas: os 20 anos da negociata fracassada entre Marlene Brito, a Miss Universe Inc. e a Rede Globo

  1. Pingback: Globo repassa também o Pânico, da Rede TV!, para a Band | TV em Análise Críticas

  2. Pingback: Rede Globo, 512 anos de esculhambação | TV em Análise Críticas

  3. Pingback: A chaga dos colunistas sociais que coordenam concursos de misses não é restrita ao Piauí | TV em Análise Críticas

  4. Pingback: Numb3rs do Miss Brasil(*): A conta do Nelito está errada | TV em Análise Críticas

  5. Pingback: Ratzinger, R.R. Soares, gaeta(*), PSDB: O que trava o Ibope do Miss Brasil(**) na Band | TV em Análise Críticas

  6. Pingback: EXCLUSIVO: Band não poderá realizar Miss Brasil(*) 2012 antes do 1º turno das eleições municipais | TV em Análise Críticas

  7. Pingback: Donald Trump está a um passo de abrir o envelope com o nome da cidade-sede escolhida para receber o Miss Universo 2012. Basta esperar pela contratação do Clay Aiken ou do Arsenio Hall | TV em Análise Críticas

  8. Pingback: EXCLUSIVO: Avaliação especial do Críticas para o concurso Miss Universo 2012 após a eleição da nova Miss Piauí | TV em Análise Críticas

  9. Pingback: Elize, a mulher-bomba das negociatas da Yoki com a gaeta(*), ex-organizadora do Miss Brasil(**) | TV em Análise Críticas

  10. Pingback: Sem sede definida, 71 países já asseguraram presença no Miss Universo(*) 2012; desesperada, NBCUniversal vai tentar vender o concurso na MipTV | TV em Análise Críticas

  11. Pingback: Erlanger exclusivo: jornal nacional é programa de fofocas | TV em Análise Críticas

  12. Pingback: Para a quadrilha da gaeta(*), restou apenas a franquia poruguesa do Miss Universo(**) | TV em Análise Críticas

  13. Pingback: Globo libera final da Copa do Brasil, Bones, Miss Brasil(*) e Miss Universo(*) para a Band. Faltam as finais da NBA, o Superbowl, o Grammy… | TV em Análise Críticas

  14. Pingback: Ricco: A Band destruiu os concursos estaduais. Favor devolvê-los à Globo | TV em Análise Críticas

  15. Pingback: Com mais cortes, edição 2012 do Miss Universo pode ser a quinta menor desde 2003 | TV em Análise Críticas

  16. Pingback: PHA: Os 10 mandamentos da editoria “o Brasil é uma m…” | TV em Análise Críticas

  17. Pingback: A fortuna dos chefões da Globo (e sócios da Miss Universe Organization no Brasil) | TV em Análise Críticas

  18. Pingback: Martha Vasconcellos e os anos Sílvio Santos no Miss Brasil(*): o que ela escondeu sobre a negociata com a Globo e as fotos pornôs da Miss Pernambuco 2008, Michelle Costa | TV em Análise Críticas

  19. Pingback: Histórico de audiência do concurso Miss São Paulo entre 2006 e 2013 | TV em Análise Críticas

  20. Pingback: Vai começar a temporada de concursos estaduais do Miss Brasil 2014. E, com eles, mais corrupção, compra de votos e casos de prostituição de candidatas | TV em Análise Críticas

  21. Pingback: Bogotá caminha para ser sede do Miss Universo 2015. No Brasil, campeia a corrupção nos concursos locais | TV em Análise Críticas

  22. Pingback: SBT também pode tirar da Band profissionais da organização do Miss Brasil responsáveis por seu sucesso recente | TV em Análise Críticas

  23. Pingback: Imprensa mitômana e udenista insiste na cantilena de segurar o Miss Brasil na Band na base do desespero | TV em Análise Críticas

  24. Pingback: A um mês do Miss Brasil 2015, Band se cala sobre a troca de comando na organização do concurso Miss Universo | TV em Análise Críticas

  25. Pingback: Nas mãos de empresa de televendas, concurso Miss Brasil não tem mais salvação | TV em Análise Críticas

  26. Pingback: Começa a programação do Miss Brasil 2015. E com ela, o risco da Band tomar uma surra helênica | TV em Análise Críticas

  27. Pingback: Audiência americana do concurso Miss Universo 1994 foi a segunda menor da década de 1990 | TV em Análise Críticas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s