Mais sujeira na disputa pela sede do concurso Miss Universo(*) 2012


Sun City e um videoclipe de denúncia gravado nos anos 1980

João Eduardo Lima
Editor e criador dos blogs TV em Análise

Mal foi publicada a revelação do Críticas, feita na última segunda-feira (14) do fim da candidatura de Pristina (pelo perigo das minas terrestres, heranças malditas da Guerra de Independência das ex-repúblicas Iugoslavas, entre 1991 e 1995, e o conflito de Kosovo em 1999), surge em fóruns e sites especializados a informação de que Guadalajara (México) teria supostamente apresentado proposta para sediar o concurso Miss Universo(*) 2012. Não vai pegar. Principalmente porque o governo do presidente Felipe Calderón ainda faz as contas das despesas gastas com a organização recente dos Jogos Pan-Americanos e com o Para-Pan ainda em andamento até domingo (20). Vai estourar os limites orçamentários.
Para se ter uma ideia, o foco de Guadalajara, após ter sediado duas Copas do Mundo FIFA e um Pan e Para-Pan, é fazer as contas para postular a sede das Olimpíadas de Verão de 2024. Para 2020 não dá mais. Organizar uma edição do Miss Universo(*) demanda dinheiro e tempo. E Guadalajara está, isso sim, focada no projeto olímpico. Estão todos loucos em Jalisco. Do governador ao presidente da Câmara de Vereadores.
Surpresa mesmo foi a intenção, no mínimo suspeita, do complexo de parques temáticos Sun City de apresentar proposta formal (com a maior cara de pau) de sediar o certame. Erguido no bantustão de Bophuthatswana (que, aliás, já mandou candidata ao Miss Universo em 1979, nas barbas da ONU), nas proximidades de Rustenburg, o complexo é uma maravilha só de apareências. Mas, se v.sa. atentar para o clipe acima, notará que gente da cepa de Bob Dylan, Bob Geldof, Ringo Starr, Run DMC, Daryl Hannah, U2, George Clinton, Keith Richards, Ron Wood, dentre outros jamais tocará ali. Nem servirá como jurado. Entendem que o lugar representa um reduto da elite branca local (tal qual a Daslu paulistana).

(*)Na teoria, a Band é dona dos direitos de transmissão do concurso Miss Brasil e de seus concursos estaduais quando, na prática, estes pertencem à Globo (que desde 1990 paga para não transmití-lo). É a mesma coisa que a emissora da famíglia Marinho fez (e ainda faz) com as séries da FOX, como Glee, Bones, Burn Notice e outras (fora as animações)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Força da Grana, Outras Venezuelas, Poderes ocultos, Podres poderes, Todas as Venezuelas do mundo e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s