Começo de semana: os graves problemas da Band para o Miss Universo Brasil


Sem anunciantes, sem coordenações estaduais, sem núcleo definido, Enter entra pela porta dos fundos e começa errado a preparação da etapa brasileira do Miss Universo 2012

João Eduardo Lima
Editor e criador dos blogs TV em Análise

Reuters/12.09.2011

https://i0.wp.com/i1.r7.com/data/files/2C95/948E/32D9/B9CB/0132/DE25/1EE5/08C5/MISSUNIVERSE-angola-ximena-Reuters-700.jpg
A festa acabou e a Band precisa de conscientizar disso

Passado o entusiasmo interno com a organização bem-sucedida do concurso Miss Universo(*) 2011, o ambiente na Band agora é de preocupação em juntar os cacos da irresponsabilidade das jestões Marlene Brito (sbtista dissidente e traíra de Sílvio Santos), Paulo Max (outro dissidente), Paulo Max Júnior, Ana Paula Sang (ineptos), Boanerges Gaeta Jr. e Nayla Micherif (incompetentes). É tentar recuperar 22 anos de atraso na coordenação nacional do concurso, causados sobretudo pela desistência abrupta do SBT em representar o Miss Universo no Brasil em favor do projeto fracassado de candidatura presidencial de Sílvio Santos para fazer frente a Fernando Collor de Mello, apoiado pela Rede Globo em 1989.
Não se deve usar a representação brasileira do Miss Universo para fazer política, isso os diretores da Enter-Entertianment Experience tem em mente a partir de agora. Deve se dissociar as práticas editoriais nocivas de seus telejornais, de coloração nitidamente direitista, conservadora, retrógrada e ruralista das normas e práticas adotadas pela cartilha da Miss Universe Organization, entregue à Band na manhã do dia 13 de setembro, um dia após a angolana Leila Lopes ter arrebatado a coroa em pleno Credicard Hall paulistano. Logo, no quintal da “zebra” gaúcha Priscila Machado, que arrebatou o terceiro lugar de forma inexplicável e inexorável.
Sem os ranços da inconveniência de se manter ou não a coroa de Priscila (essa questão a MUO já tratou com a gaeta[**], mandada para o chuveiro após as denúncias deste Críticas e de outros meios de comunicação), a Enter trata agora de acertar os ponteiros de 43 anos de atraso missológico no Brasil, causados sobretudo pelo avanço predatório do monopólio da Rede Globo e de suas empresas-satélite (a TV Diário do Ceará, para começar). Atraso esse agravado pela ditabranda militar, pela recessão, pela desgraça econômica e pelas sucessivas trocas de moeda, que tornaram a realização do Miss Brasil como conteúdo televisivo totalmente imprestável, invendável e inegociável.

Gazeta Press

https://i1.wp.com/i1.r7.com/data/files/2C92/94A4/27CC/BA3C/0127/E3B7/CA75/3C2D/Vicente-Matheus-cortada.jpg
Para Platão, o Sócrates era “invendável, inegociável e imprestável”.
O Miss Brasil da Tupi, do SBT e da Globo também era assim

Sem recorrermos às chatices de Vicente Matheus, notório filósofo corinthiano, nesta pensata, o que se pretende aqui não é fazer pré-julgamento de X, Y ou Z por essa ou aquela atitude errada. Mas, nota-se uma baixa movimentação e interesse da Band em tocar sozinha (com firma constituída em cartório, etc. e tal) a franquia, a produção da etapa brasileira e, ao mesmo tempo, todos os trâmites relacionados ao Miss Universo 2012. Mesmo que o Rio não concorra diretamente para disputar a cidad-sede com a kosovar Pristina, há uma minoria na Band atenta às movimentações na Miss Universe Organization para a escolha da cidade-sede do certame de 2012, cuja data talvez seja antecipada ou não. Não, porque a realização do Miss USA 2011, no terceiro domingo de junho, em pleno início de verão norte-americano, trouxe à NBC um incomensurável crescimento de telespectadores em relação ao Miss USA 2010. É nessa faixa que a MUO está de olho para a disputa americana. Nada de colocar o certame antes do Celebrity Apprentice porque a NBC já tem grade pré-estabelecida: Dateline primeiro (19h), Apprentice depois (20h) e The Firm para fechar a noite (22h). Não se deve brincar com um produto já vendido e embalado para cerca de 130 países. O autor John Grisham não merece isso. Nem a Juliette Lewis nem ninguém. Muito menos a Sony Pictures, dona do canal AXN, que comprou os direitos internacionais da trama para TV paga.
E calendário de seus concursos é coisa seríssima para a Miss Universe Organization tratar. Colocando o Miss USA 2012 em junho, a NBC respira mais aliviada e tira a etapa americana do Miss Universo 2012 da linha de tiro da audiência da temporada regular (que acaba na final do American Idol). É um melhor negócio, pois anunciantes e telespectadores sairão ganhando com essa medida. Miss USA primeiro (junho), Miss Teen USA (julho) adiante e Miss Universo (entre o final de agosto e coméço de setembro) depois. Dá para formar um composto de concursos adequado para o verão do hemisfério norte. Basta os tecnocratas da MUO e da NBCUniversal terem juízo. E tomarem semancol (a Olimpíada de Verão de Londres acontece de 27 de julho a 12 de agosto e dá tempo de realizar o Miss Universo 2012 após a pira olímpica ser apagada).
Voltando ao Brasil, é tempo mais que adequado para a Enter, empresa de eventos da Band, apressar o passo em relação ao credenciamento de coordenações estaduais, municipais e zonais. E, principalmente, de apertar o cerco contra aquelas lenientes em deixar suas vencedoras irem para realities da concorrência com o claro intento de posarem nuas para revistas masculinas ainda na vigência de seus reinados. A norma da Miss Universe Organization não permite esse tipo de abuso, nem em Pernambuco, nem em lugar nenhum do mundo.
Resumindo: a Band ainda precisa arrumar direito a casa para organizar as etapas brasileiras do Miss Universo pelos próximos anos. E, principalmente, captar anunciantes diversos dos aliados da gaeta(**) – higiene pessoal, maquiagem, alimentício, estatais, etc. Só para se ter uma ideia, a máquina pública patrocinou duas das quatro cotas nacionais do Miss Universo 2011, via Banco do Brasil (federal) e Prefeitura da Cidade de São Paulo (municipal, atendendo pleito da NBC e da MUO).

(*)Na teoria, a Band é dona dos direitos de transmissão do concurso Miss Brasil e de seus concursos estaduais quando, na prática, estes pertencem à Globo (que desde 1990 paga para não transmití-lo). É a mesma coisa que a emissora da famíglia Marinho fez (e ainda faz) com as séries da FOX, como Glee, Bones, Burn Notice e outras (fora as animações)
(**)gaeta é o modo como a Gaeta Promoções e Eventos deve ser sempre escrita: em minúsculas, para provar o quanto o Brasil é uma sub-Venezuela, um sub-Porto Rico, uma sub-Colômbia (tipo um Whooper Jr.) ou uma Guatemala tamanho-família (tipo esses sanduíches Whooper do Burger King, Sub do Subway, Big Bob, Big Mac e afins) em termos de concursos de misses

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Jóia da coroa, Nossas Venezuelas, Projetos especiais, Todas as Venezuelas do mundo e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Começo de semana: os graves problemas da Band para o Miss Universo Brasil

  1. Leandro disse:

    Bom dia
    Você consegue ver outra candidata ao Miss Brasil 2011, além de Priscila Machado.
    Se tiver uma candidata a altura da gaúcha me avise para poder entender melhor seus critérios de beleza.

    • Dailor disse:

      Concordo plenamente com você. A gaúcha Priscila Machado demonstrou ter muita classe e elegância, além da beleza é claro. Diferente das outras concorrentes de outros estados, algumas até meio canastronas e sem preparação alguma. O estado do Rio Grande do Sul e o estado de Minas Gerais são os estados que têm as mulheres mais belas e preparadas para esse tipo de concurso. Se não fosse por isso o estado do Rio Grande do Sul não seria o estado com mais títulos até então, se não me engano foram 7 nos últimos 10 anos. Misses como Natália Guimarães (mineira), Priscila Machado (gaúcha), Rafaela Zanella (gaúcha) mostram a beleza da mulher brasileira. E quanto ao Miss Brasil 2012, acredito que a gaúcha Gabriela Markus tem grandes chances de dar ao Rio Grande do Sul o título pelo segundo ano consecutivo. Esqueçam outros estados, esqueçam por favor (a maior prova foi a Miss Rio Grande do Norte no MU 2009) se expressava de forma vergonhosa e lamentável, o que acho uma pena.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s