Globo contrata atriz que interpretou Annie Frost em Chase


Kelli Giddish (SVU) está reservada para a adaptação de Manoel Carlos de American Horror Story

Fotos Jordan Strauss e Victor Decolongon/Getty Images

https://i0.wp.com/assets.nydailynews.com/img/2011/06/29/alg_kelli_giddish_danny_pino.jpg
Nas fotos, uma “empregada” da Globo e um ex-editor do Jornal do SBT

Nota da NBC:

NBC SIGNS KELLI GIDDISH (’CHASE’) AND DANNY PINO (‘COLD CASE’) AS NEW SERIES REGULARS WHO WILL PLAY DETECTIVES IN ‘LAW & ORDER: SPECIAL VICTIMS UNIT’

UNIVERSAL CITY, Calif. – June 27, 2011 – NBC has signed Kelli Giddish (“Chase”) and Danny Pino (“Cold Case”) as two new series regulars who will play detectives on its “Law & Order: Special Victims Unit” (Wednesdays, 10-11 p.m. ET in the fall).

The announcement was made by Bob Greenblatt, Chairman, NBC Entertainment.
“Kelli and Danny are two great actors who will join a proven cast headed by Mariska Hargitay as this exceptional series heads into a very promising 13th season,” said Greenblatt.
Executive producer/creator Dick Wolf commented, “I’m very pleased that we have two amazing actors joining the cast. I know this combination will give us the opportunity to explore the world of ‘SVU’ with new eyes.”
Giddish recently starred in the NBC drama “Chase” as U.S. Marshal Annie Frost. Giddish also starred in “Past Life” and made guest appearances on “The Good Wife,” “Life on Mars” and “Without a Trace.” In 2007, Giddish played a supporting lead role in David Connolly’s independent feature “The Understudy.” Following her departure from “All My Children” later that year, she made guest appearances on “Law & Order: Special Victims Unit” and “Law & Order: Criminal Intent,” had a recurring role on “Damages” and appeared in Boaz Yakin’s feature film “Death in Love.”
Pino starred for seven seasons on “Cold Case” as Senior Detective Scotty Valens. He also has guest-starred on such series as “The Shield,” “Men, Women & Dogs,” and more recently, in “Burn Notice.” His television movies include “Lucy” (as Desi Arnaz) and “Point of Origin.”
This hard-hitting and emotional series from NBC’s “Law & Order” brand chronicles the life and crimes of the Special Victims Unit of the New York Police Department, the elite squad of detectives who investigate sexually based crimes. Emmy and Golden Globe Award-winning actress Mariska Hargitay returns to portray Detective Olivia Benson. Created by Emmy Award-winning producer Dick Wolf, “Law & Order: Special Victims Unit” is now entering its 13th season. The program has received numerous citations from community-based organizations for the social issues it tackles, and the cast members are frequently recognized for the work they do off-screen to promote personal health and safety and other volunteer efforts and initiatives.
“Law & Order: Special Victims Unit” is a Wolf Films production in association with Universal Media Studios. Wolf, is creator and executive producer, Warren Leight (Law And Order CI), Ted Kotcheff (“Fun with Dick and Jane,” “Weekend at Bernie’s”) and Peter Jankowski are executive producers”.

Ou seja, isso quer dizer que a detetive Annie Frost agora trabalha na Rede Globo (unidade: Globosat/Universal Channel).
Vai entregar, no jornal nacional a sua cronaca de horror para o Insensato Coração.
(Nada mais é que uma adaptação, para a TV aberta brasileira, da American Horror Story do Ryan Murphy do Glee, aclimatada ao massacre de Realengo, aos factóides envolvendo a ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra, à transparência seletiva da gaeta[*] – ver artigo do Rodrigo Vianna mais abaixo – e às enchentes que devastaram a serra fluiminense no início de 2011).
No jornal da globo, vai dar a pauta para as meninas do Jô.
Não vai admitir que o Brasil é um país racista, na condição de atriz de novela das nove.
Tem nojo de piauienses, como a Ana Maria (Hargitay) Braga na campanha para derrotar Gyselle Soares no BBB 8.
Vai tratar a Mayara Petruso como uma “coitada” no júri do Miss Universo(***) 2011, organizado pelos ruralistas da Band.
(A mesma coisa que venerar a Maria Melillo como uma santa de igreja, uma Madonna).
Clique aqui para conhecer o “mundo ideal” do Octavio Florisbal, novo patrão de Giddish
Convém lembrar que Chase ainda tem resto de cinco episódios no Warner Channel.
E, quando novembro chegar, Kelli Giddish vai entrar na NBC e na sede da Globosat, em Rio Comprido, com crachá do Bozó.
Veja aqui como a Globo transformou a Miss Paraná 2010, Marylia Bernardt, em uma funcionária “fantasma” na TV Cataratas
A seguir, um exemplo da transparência seletiva a ser seguida pelos miçólogos da gaeta(*):

Gastos com publicidade
Transparência seletiva: E São Paulo?

publicada terça-feira, 14/06/2011 às 17:30 e atualizada sexta-feira, 17/06/2011 às 12:13

por Rodrigo Vianna

Esse escrevinhador teve acesso, ontem, ao mandado de segurança da “Folha”(**) contra Helena Chagas, a responsável pela SECOM (Secretaria de Comunicação do governo federal). O jornal paulista queria detalhes sobre as verbas de publicidade do governo. A SECOM mandou as explicações, mas sem os detalhes requeridos pelo jornal. A “Folha”, então, entrou com o mandado de segurança, em nome da “transparência”. Louvável a preocupação do jornal.
Quem há de ser contra a “transparência”?
O que esse escrevinhador não entende é por que a “Folha”(**) só se preocupa com transparência federal. Transparência estadual, nem pensar.
Caminhemos, então, para a transparência geral e irrestrita. O contribuinte de São Paulo, por exemplo, merece saber quanto o governo paulista gasta (ou gastou) com assinaturas da “Folha” e do “Estadão”. O contribuinte paulista merece saber porque o Estado contratou os serviços da editora Abril para fornecimento da revista “Nova Escola” – sem licitação. O caso foi denunciado pelo deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP).
Esse escrevinhador não estranharia se, em breve, outros meios de comunicação entrarem com ação semelhante cobrando explicações sobre os gastos do governo paulista (incluindo a Sabesp, estatal de águas que anuncia até em Pernambuco) ou do governo mineiro (que teria anunciado de forma generosa numa das rádios que – hoje se sabe – pertence a Aécio Neves). E fariam isso inspirados no louvável ato da “Folha”(**) (que, certamente, não usou o mandado de segurança para pressionar a SECOM, nem para obter mais anúncios do governo federal).

Em nome da transparência no uso de recursos públicos – e mesmo na área privada – seria útil consultar o Ministério Público, o CADE e a CVM, para questionar:

– órgãos de comunicação impressos usam o IVC (que mede a circulação) para montar suas tabelas de anúncios; o IVC é confiável? quem controla o IVC?

– empresas privadas (com ação em Bolsa), que anunciam em jornais e revistas com base em tabelas baseadas no IVC, estão gastando o dinheiro dos acionistas de forma justa?

– o bônus de veiculação (BV) que certas empresas de comunicação pagam às agências de publicidade (quanto mais dinheiro a agência concentra num determinado meio, mais ela recebe de volta, na forma de BV) não atenta contra as regras de concorrência e de livre mercado?

Ou seja: é o meio de comunicação que remunera a agência! O BV não é um “escândalo” estatal. É um escândalo do mundo privado da publicidade.
São questionamentos pertinentes: em nome da transparência!
Sem falar num fato absurdo, que ainda hoje garante polpudos recursos aos jornais: a lei obriga empresas de capital aberto a publicar balanços em jornais “de grande circulação”. Pra que? O acionista já recebe relatórios por e-mail, tem acesso ao site da empresa. Alguém acredita que o acionista vai folhear a “Folha”(**), o “Estadão” ou “Valor” para saber detalhes do balanço de uma empresa em que investe?
A obrigatoriedade de balanço em jornal é uma forma de transferir recurso do acionista de grandes empresas para as famílias que controlam os jornais. É outro escândalo do mundo privado da publicidade. Um escândalo que mexe com bolso de cada um que tem dinheiro investido em ações.
No mandado de segurança, a “Folha”(**) fala em “injustificável opacidade” de informações. Belíssima expressão! Quem assina a ação é a causídica Taís Gasparian – a mesma que, durante a campanha de 2010, em nome do mesmo jornal, lutou desesperadamente para obter o processo de Dilma no STM. A “Folha” queria saber o que Dilma dissera, sob tortura. Imaginem o uso que isso teria. Faz sentido, afinal a “Folha” é um jornal que abre espaço para o torturador Ustra.
Um jornal, certamente, transparente, em sua história e em suas intenções.
Desde logo, esse blogueiro soma-se à “Folha”(**) na busca de ”transparência” no mundo da publicidade. Transparência ampla, geral e irrestrita, incluindo BV, balanços de empresas, IVC e – claro – os gastos de publicidade de governos estaduais ricos – como os de Minas e São Paulo.
Viva a transparência total! Abaixo a transparência seletiva!”.

(*)gaeta é o modo como a Gaeta Promoções e Eventos deve ser sempre escrita: em minúsculas, para provar o quanto o Brasil é uma sub-Venezuela, um sub-Porto Rico, uma sub-Colômbia (tipo um Whooper Jr.) ou uma Guatemala tamanho-família (tipo esses sanduíches Whooper do Burger King, Sub do Subway, Big Bob, Big Mac e afins) em termos de concursos de misses
(**)Folha é o jornal que não se deve deixar a sua tataravó ler porque publica palavrões e mostra sem censura os seios, os pêlos pubianos, a vagina e a bunda da miss Pernambuco 2008, Michelle Fernandes da Costa, em revista masculina publicada a poucos dias de passar a faixa à sua sucessora, em março de 2009. Além disso, Folha é aquele jornal que entrevista o então governador da Paraíba Cássio Cunha Lima DEPOIS de cassado e pergunta o que ele achou do processo no TSE, da ditabranda, do câncer de Fidel, da ficha falsa da Dilma, das mulheres-fruta, das ancas da cantora Jôsy, do ódio a piauienses encampado pelo Rafinha do Emocore, da Carla Perez lecionando “i” de iscola, da Rayanne Morais “eleita” Miss Brasil 2009 pelo site EGO, ligado à Globo (sócia da mesma Folha no jornal de negócios Valor Econômico), que vestiu FHC com o manto de “bom caráter”, porque levou dezoito anos para reconhecer um filho seu fora do casamento (com uma jornalista empregada da Globo), que mandou a Diane Sawyer da Globo News avacalhar o cantor itainopolense Frank Aguiar por causa de um filme e de uma entrevista sórdida com uma aspirante a aspirante a aspirante de celebridade paulista a uma aprendiz de Oprah do Primetime da Rede TV!, que publicou texto sórdido de um professor de comunicação da USP sobre o Miss Universo 2007, que ainda fala mal do Saulo Roston (vencedor do Ídolos 2009), que matou o senador paulista Romeu Tuma e depois o ressucitou, mandou a Mariska Hargitay falar mal do Piauí e a Tamara Tunie, o Ice-T e o Christopher Meloni bancarem o Sérgio Ricardo quebrando o violão no Festival da Record de 1967 em Law & Order: Special Victims Unit, deixou o elenco de Law & Order: Criminal Intent e o Robin Williams avacalharem o Brasil em seriado da USA Network e programa de entrevista da CBS, é o que é porque o dono é o que é e que, quando a mineira Elaine Parreira Guimarães ficou em quinto lugar no Miss Universo 1971, emprestava os carros de reportagem aos torturadores.
(***)Na teoria, a Band é dona dos direitos de transmissão do concurso Miss Brasil e de seus concursos estaduais quando, na prática, estes pertencem à Globo (que desde 1990 paga para não transmití-lo). É a mesma coisa que a emissora da famíglia Marinho fez (e ainda faz) com as séries da FOX, como Glee, Bones, Burn Notice e outras (fora as animações)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Água oxigenada, Corrupção na mídia, Globelezação, Jóia da coroa, Law & Order: Pesadelo de Miss, Marska Hargitay do Jornal Nacional, Mondo cane, Nossas Venezuelas, Poderes ocultos, Podres poderes, Séries, Todas as Venezuelas do mundo e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s