Final do American Idol terá público recorde na TV paga brasileira; a gaeta(*) vai cortar os pulsos


O jurado Steven Tyler ri da desgraça da turma de Nayla Micherif e seus assemelhados

Divulgação/FOX/Zap2it/21.01.2011

american-idol-s10-judges-320.jpg
Quem ri por último…

No Daniel Castro:

TV paga cresce 31% e já é vista por 32 milhões de brasileiros

O Brasil fechou 2010 com 9.768.993 domicílios com TV paga, um crescimento robusto de 30,7% em relação a 2009.
Nos 12 meses do ano passado, 2.295.517 residências passaram a contar com TV por assinatura. Em outras palavras, de cada dez casas com TV paga atualmente, duas aderiram ao serviço em 2010.
Os dados foram divulgados hoje (26) à tarde pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). Baseada na média de pessoas por domicílio estimada pelo IBGE (3,3 pessoas), a agência calcula que 32,2 milhões de brasileiros, ou pouco mais de 15% da população, tenham TV paga.
As regiões Norte (62,2% e Nordeste (51,7%) foram as que apresentaram maior crescimento. O Sudeste, no entanto, concentra quase dois terços de todos os assinantes do país”.

32 milhões de telespectadores é mais ou menos o público de uma final do American Idol ou de uma cerimônia de entrega do Grammy, por exemplo, na TV aberta norte-americana. Por aqui, isso significa dizer que ambos os eventos não-esportivos dão um verdadeiro bote no pescoço da Nayla Micherif (que brada aos quatro cantos que o “concurso de beleza” que ela coordena, o Miss Brasil[**] tem audiência de 14 milhões de telespectadores).
É também um bote de cobra para cima das mariposas da Band, cuja subsidiária, a Enter-Entertaiment Experience está mais ocupada com a Fórmula Indy e com show do Pearl Jam na favela Dancing Days do Cangote do Urubu da Abby Sciuto, em Recife, para as pedras, telhas e tijolos da comunidade assistirem (a.k.a. ninguém) do que com o concurso Miss Universo 2011.
Tal qual o ditador egípcio Hosni Mubarak, Nayla não vai sair da coordenação do Miss Brasil(**).
Vai para Punta del Este para fugir das perguntas acerca da baixa audiência de seu suposto certame. E das fraudes nele cometidas.

Ernesto Paglia
Paula Abdul
MariMoon
Pauley Perrette
José Luiz Datena
Bocão da TV Itapoan
Glenn Beck

(*)gaeta é o modo como a Gaeta Promoções e Eventos deve ser sempre escrita: em minúsculas, para provar o quanto o Brasil é uma sub-Venezuela, um sub-Porto Rico, uma sub-Colômbia (tipo um Whooper Jr.) ou uma Guatemala tamanho-família (tipo esses sanduíches Whooper do Burger King, Sub do Subway, Big Bob, Big Mac e afins) em termos de concursos de misses
(**)Na teoria, a Band é dona dos direitos de transmissão do concurso Miss Brasil quando, na prática, estes pertencem à Globo (que desde 1990 paga para não transmití-lo). É a mesma coisa que a emissora da famíglia Marinho faz com as séries da FOX, como Glee, Lie to Me e outras (fora as animações)

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Nossas Venezuelas, Numb3rs e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s