PHA: Há 19 anos Câmara foge da Globo, da Band, da Comcast, da FOX e da gaeta(*). Comparato e a Ley de Medios


O Conversa Afiada (e o American Idol-J.E.L.) tem o prazer de publicar e-mail estarrecedor do professor Fábio Konder Comparato. Trata-se de uma resposta que a Câmara dos Deputados deu ao Supremo Tribunal Federal no processo de julgamento da ADO 10 de autoria do professor Comparato

Por Paulo Henrique Amorim
Do Conversa Afiada

Fotos Reprodução/Conversa Afiada e TVbytheNumbers



Josaphat , o único de coragem que já morreu, e Ryan Seacrsest, empregado da Comcast-NBCU: quem quer dinheiro?

Comparato – clique aqui para ler – foi ao Supremo para o Supremo processar o Congresso por omissão: não regulamenta os artigos da Constituição que tratam da Comunicação.
É a Omissão por Medo: Medo da Globo.
Será que o novo presidente da Câmara, Marco Maia, também tem medo da RBS(**) (ele é do PT do Rio Grande do Sul)?
Veja, amigo navegante, o que diz o professor Comparato:

“Caro Paulo:

A Câmara dos Deputados, por ofício de 17 de janeiro p.p., informou o Supremo Tribunal Federal, para instrução da ADO 10, de que há 19 (dezenove) anos, ou seja, desde 1992, vem tramitando, com a celeridade costumeira, o projeto de lei nº 3232, de autoria do saudoso deputado Josaphat Marinho (que Deus o tenha!), tratando da regulamentação dos dispositivos constitucionais sobre a comunicação social.
Como você percebe, para cumprimento do dever de garantir por lei o direito fundamental de comunicação social, o nosso Poder Legislativo tem levado até agora, inconclusivamente, o prazo de uma geração. Mas os “representantes do povo brasileiro” jamais se omitem em aumentar pontualmente, de quatro em quatro anos, os seus subsídios, com os indispensáveis complementos que, somados, mais do que dobram a remuneração principal. Tudo isso com recursos públicos, ou seja, com dinheiro do povo.

Abraço,

Fábio Konder Comparato”

Abaixo, o Severino de Pernambuco quer a Ley de Los Medios:

O Conversa Afiada tem o prazer de publicar e-mail e artigo do amigo navegante Severino Isidoro.
Ele demonstra que a batalha pela Ley de Medios se espalha e tem este notável representante no interior (glorioso) de Pernambuco:

“Prezado Paulo Henrique Amorim:

Sou leitor assíduo de seu blog (Conversa Afiada) que é um dos melhores espaços de jornalismo com um toque de humor refinado na blogosfera.
Mas também sou metido a escrever. Fui redator da editoria de política de um pequeno jornal que circulava na Mata Norte e Litoral Norte de Pernambuco e na Mata Sul e Litoral Sul do vizinho estado da Paraíba. O jornal “A Província”, era sediado aqui no município de Goiana, Pernambuco, mas abrangia quinze municípios dos dois estados (PE/PB).
Infelizmente entrou em crise e deixou de existir há dois anos (após um período recorde de 15 anos de atividade).
Agora, depois de uma experiência como secretário municipal de Saúde de Goiana estou assinando a coluna Falando Sério que é publicada no sítio informativo Mania de Goianense: http://www.maniadegoianense.com.br
Detalhe: Goiana é um município com área territorial bastante extensa (corresponde a 15 cidades com com a área geográfica de Olinda e tem um belo e extenso litoral, com 17 km de paradisiacas praias – entre elas Carne de Vaca, onde foi gravada a minissérie Riacho Doce, da Rede Globo). A cidade fica a 67 km. do Recife e abrigará o Pólo Farmacoquímico de Pernambuco – tendo a estatal Hemobras, recém criada, e a transnacional Novartis como âncoras do emprreendimento.
Estou enviando artigo do Mania de Goianense como contribuição ao debate.
Um grande abraço!

ISIDORO GUEDES
Sociólogo, Educador e Gestor Público”

AS INCESTUOSAS RELAÇÕES ENTRE MÍDIA E PODER

Mais uma vez discorremos sobre comunicação. Agora para tratar das relações entre mídia e poder, que no Brasil são pra lá de estreitas.
Antes, gostaria de dizer que nunca acreditei em neutralidade ou imparcialidade jornalística, sobretudo na política. E por um motivo muito simples: política é algo que se faz de razão, mas também de paixão, o que não permite que sejamos isentos em qualquer análise em que nos metamos a fazer.
Não acreditar em imparcialidade não significa que não possa ser feito um jornalismo sério e decente.
Dá pra fazer isso mesmo sem a tal “isenção”? Dá sim. Basta agir com ética e honestidade. O que pode ser feito observando-se princípios de civilidade e de respeito ao contraditório ou pluralidade de opiniões.
Afinal, quando exponho um ponto de vista não posso nem devo querer que ele seja visto como verdade absoluta – não há verdades absolutas: as verdades são sempre relativas. Mesmo que defenda minhas idéias com clareza, raciocínio lógico e com capacidade de argumentação suficiente para não resvalar nos sofismas e deslealdades.
E se, por um lado, não devo impor meu ponto de vista ou visão de mundo a ninguém, por outro tenho que estar aberto para, concordando ou não, dialogar com a visão de mundo dos outros. Tenho que estar preparado para a crítica, para o embate dialético, para influenciar e ser influenciado por novos ventos, sem abrir mão de meus princípios éticos, salvo se esses vierem a se chocar com o direito a vida e com os direitos humanos, que são inegociáveis e inalienáveis – e salvo se eu vier a descobrir ou perceber que minhas crenças e valores se prestam a oprimir ou degradar esse ser humano.
Esse papo de “cerca Lourenço” na verdade é para dizer que em comunicação honestidade é fundamental. Todavia honestidade é tudo o que a grande mídia não tem tido ao longo dos últimos anos.
Na recente campanha eleitoral de 2010, que culminou na eleição de Dilma Rousseff (PT) para a Presidência da República, pudemos observar uma série de deslealdades e leviandades por parte dessa grande mídia. Não que seja um mal em si que este ou aquele órgão de imprensa tenha preferência por um candidato ou uma corrente política ou ideológica em especial. Isto ocorre no mundo todo e faz parte do jogo democrático. O que não pode é o meio de comunicação querer passar uma imagem de neutralidade e imparcialidade, mas agir de forma indecente e desleal.
De uma maneira geral a maioria esmagadora dos grandes veículos de comunicação apoiou a candidatura de José Serra (PSDB). Mas apenas o jornal O Estado de São Paulo teve a decência de assumir isso publicamente em um de seus editoriais dominicais.
Os demais, digamos assim, preferiram ficar na moita, fazendo jogo de gato e rato. No segundo turno até pensaram em esboçar com mais clareza sua opção. Mas no frigir dos ovos não tiveram coragem – ou decência – para tanto.
Essa opção da grande mídia tem uma fundamentação obviamente ideológica e mercadológica. Ideológica porque a maioria dos veículos da grande mídia se acostumou a servir como uma espécie de linha auxiliar do conservadorismo. E mercadológica, porque por extensão da opção ideológica, sempre recebeu as benesses do poder, onde as forças conservadoras e de direita sempre foram hegemônicas. Ou seja: poder econômico, poder político e mídia, no Brasil, sempre estiveram umbilicalmente ligados
Mesmo que Lula da Silva não tenha promovido nenhuma revolução social nem enfrentado frontalmente a grande mídia regulamentando a Constituição nos pontos em que ela exige democratização dos meios de comunicação, ele virou o saco de pancadas da grande imprensa em seus oito anos de mandato, afinal sempre incomodou aos políticos conservadores e a grande imprensa o fato de um ex-operário e retirante nordestino ter vencido todas as adversidades e preconceitos e chegado a Presidência da República.
E se Lula conseguiu deixar o governo como o presidente mais popular de nossa História republicana, isto tem mais a ver com o seu carisma e sua capacidade de se comunicar de maneira fácil e direta com as massas, do que com a boa vontade dos grandes grupos de comunicação, que nunca houve.
Não obstante, se os meios de comunicação são uma concessão pública, nada mais justo que sejam democratizados como prevê a Constituição cidadã de 1988. Todavia o lobby da grande imprensa costuma distorcer os fatos e satanizar as pessoas que defendem isso. Em geral dizem que essa medida representa uma “ameaça a liberdade de imprensa e de expressão” – o que não passa de chantagem barata e inverídica. Mais: acusam os que a defendem de flertarem com “ditaduras de esquerda” – ao estilo Chávez (Venezuela) ou Fidel (Cuba), abrindo caminho para o autoritarismo no país.
Nada a ver! O que se quer é que é justamente o oposto. Que a informação deixe de ficar na mão de quatro ou cinco famílias, que controlam poderosos grupos de comunicação – se arvorando no direito de “formar” (ou seria deformar?) a opinião dos brasileiros. O que se quer é que a comunicação se democratize e a informação seja livre de amarras. Isso, obviamente, contraria interesses.
Por isso enganam-se os que acreditam que a guerra foi vencida e que Davi venceu Golias. O carisma e a popularidade de Lula derrotaram a grande mídia na batalha em uma eleição. Mas essa guerra ainda está longe de terminar. E a democratização da informação ainda terá que enfrentar um longo e tortuoso caminho, cheio de obstáculos e armadilhas. Essa democratização ainda precisa ser consolidada. E para tanto outras titânicas batalhas ainda se sucederão.

P.S.: Esse polêmico tema não se esgota aqui, e em outras oportunidades voltaremos a debatê-lo.

Isidoro Guedes é sociólogo graduado pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE, educador (com especialização pela Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE e extensão pela Universidade de Brasília – UnB) e ex-secretário de Saúde do município de Goiana – PE

(*)gaeta é o modo como a Gaeta Promoções e Eventos deve ser sempre escrita: em minúsculas, para provar o quanto o Brasil é uma sub-Venezuela, um sub-Porto Rico, uma sub-Colômbia (tipo um Whooper Jr.) ou uma Guatemala tamanho-família (tipo esses sanduíches Whooper do Burger King, Sub do Subway, Big Bob, Big Mac e afins) em termos de concursos de misses
(**)Não é Rede Brasil Sul e sim Rede Bunda Suja (da Natália Casassola), afiliada global em Santa Catarina que tem entre seus diretores o pai de um dos estupradores juvenis de Florianópolis denunciado pelo Tijoladas do Mosquito e pelo Jornal da Record

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Fora Gaeta, Globelezação, Imperialsmo midiático, Imprensa monopolista, Imprensa sulista-separatista, Mondo cane, Realidade brasileira e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s