A liberdade de imprensa que Alexis Neiers(*) defende na TV Diário é a liberdade dos oligarcas midiáticos que controlam o concurso de Miss Ceará


Reprodução/Revista Que Amamos


O verdadeiro interesse da TV Diário é esse aí

Comentário de leitor do Conversa Afiada:

“Alberto Jr disse:
7 de dezembro de 2010 às 9:17

A liberdade de imprensa que eles defendem é a liberdade do dono do veículo de comunicação, para dizer o que quer e distorcer a realidade dos fatos.
Aqui no Ceará, toda a imprensa é mandada pelo Tasso Jeireissati. Todos quando não o elogiam, não o criticam. É um homem acima do bem do mal.
A imprensa tem que ser livre, para divulgar os fatos como ele se apresentam. Fora disso não há liberdade e sim irresponsabilidade de imprensa”.

É a mesma coisa com Jorlene Alexis Cordeiro Neiers, ladravaz de residências e de repartições públicas travestida de coordenadora do concurso (?) Miss Ceará, co-patrocinado pela TV Diário, emissora coligada da TV Verdes Mares (afiliada da Rede Globo no Estado). Todos que não a elogiam por seu cirquinho de horrores travestido de “certame”, não a criticam quando as vencedoras estaduais por ela coordenadas desde 2005 tomam pau no concurso de Miss Brasil válido pelo título de Miss Universo.
A Regulamentação da mídia proposta pela presidente eleita Dilma Rousseff vai acabar com ladroagens como essa. Todo ano, a Book Eventos (firma [ir]responsável pelo Miss Ceará) mama das tetas do Erário cearense quantias altamente consideráveis. Ainda assim, é coisa que traga retorno tanto para a quadrilha quanto para o contribuinte cearense. São uns trouxas.
Juntas, TV Diário, Globo, Folha(*), Grupo Abril e Estadão não querem que a liberdade de imprensa que nós, do Críticas e de outros blogs independentes, defendemos seja a da The Treme Song, da série Treme do canal pago HBO. E não a dos arbustos da genitália da atriz Letícia Birkheuer, entrevistada na calada da noite no golpista Programa do Jô. Faltaram as meninas para comentar sobre os seios, a bunda e os pelos pubianos da empregada da famíglia Marinho (cujos filhos não tem nome próprio).
Abaixo, dois exemplos de “liberdade de imprensa” e liberdade de imprensa:

“Tamanha riqueza estética foi multiplicada pelo uso do preto e branco, que predomina grande parte do ensaio – apenas três fotos coloridas, ainda assim num tom bem frio. Só isso, vocês sabem, seria o suficiente para render muitos comentários de insatisfação. Somando a isso, tem a sempre discutida questão da ousadia, ou melhor, do recato das matérias. Neste caso não é diferente, o que não chega a ser uma surpresa, tampouco um problema a meu ver. A nudez frontal de Leticia é delicada, com pelos pubianos mostrados bem displicentemente”.

(Texto do blog Revista Que Amamos, que acompanha a mania de oligopólio da edição brasileira da revista Playboy, que deve ter horror a realities que não sejam da seara global)

“O que existe hoje não é liberdade, é o monopólio, a censura por parte do poder econômico”

(Paulo Ramos, deputado pelo PDT-RJ, durante reunião que criou uma Comissão Especial para discutir a criação do Conselho de Comunicação do Estado do Rio de Janeiro, quintal da Globo que emprega Birkheuer, na segunda-feira, 6/12/2010)

(*)Recomendamos ao distinto leitor ir ao Departamento de Polícia de Los Angeles e ver a ficha criminal do alter-ego americano de Nayla Micherif, a Pretty Wild de Ubá, (e de sua comparsa missológica cearense), apresentada pelo competente repórter Márcio Campos, do Brasil Urgente.

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Água oxigenada, Globelezação, Imprensa monopolista, Independência editorial, Nossas Venezuelas, Olivia Benson do tucanato da UDR, Poderes ocultos, Podres poderes, Política nos concursos de beleza, Projetos especiais, Realidade brasileira e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s