Renúncia de coordenador do concurso Miss Minas Gerais provoca ‘racha’ na direção do concurso Miss Brasil


Preparador de Natália Guimarães em 2007, José Alonso Dias alega “incompatibilidade de conduta” com as práticas adotadas pela gaeta(*)

Da redação TV em Análise

Coincidentemente, no mesmo dia em que o TV em Análise Críticas publicava post expondo a manobra terrorista da gaeta(*) promoções e eventos para se valer da presença do candidato tucano à Presidência da República José Serra em Minas Gerais para promover a implosão do Brasil a partir de 1º de janeiro, a coordenação estadual do concurso Miss Brasil publicou comunicado oficial em seu site anunciando o rompimento de relações com a máfia de Boanerges Gaeta Jr. e Nayla Micherif.
De acordo com o release da Look Top Beauty, o fim da parceria com a organização criminosa ocorreu por “incompatibilidade de conduta entre as partes”, ou seja a empresa de José Alonso Dias e a quadrilha de Nayla e Gaeta. “Nestes onze anos de realização de concurso Miss Minas Gerais, desde 1999 quando assumimos a coordenação, tivemos resultados reconhecidos nacional e internacionalmente, tais como a eleição da mineira Natália Guimarães como Miss Brasil e vice-Miss Universo 2007, e Débora Lyra, Miss Divinópolis, Miss Minas Gerais e Miss Brasil 2010”, diz o texto.

Reprodução/Oracle Foundation

John Gotti
Na foto, John Gotti como diretor do concurso Miss Brasil

A relação entre a gaeta(*) e a Look Top Beauty vinha se deteriorando desde a desclassificação de Lyra no concurso Miss Universo 2010, realizado em Las Vegas, no último dia 23 de agosto. Situação essa piorada com o anúncio não-oficial, feito pela Rede Bandeirantes, do cancelamento das transmissões de concursos de misses a partir de 2011, segundo fontes, pela inadequação desse tipo de evento às diretrizes da emissora, centradas em esportes, jornalismo, programas de variedades, sessões de cinema e séries estrangeiras como Bones e NCIS, por exemplo.
Leia abaixo a íntegra do comunicado:

“COMUNICADO OFICIAL

Informamos que, desde 01 de outubro de 2010, não fazemos parte da coordenação do Concurso Miss Minas Gerais e Concurso Miss Brasil.

Tal desligamento foi opcional devido à incompatibilidade de conduta entre as partes, uma vez que preferimos zelar pela idoneidade e credibilidade inabalável de nosso trabalho.

Nestes onze anos de realização de concurso Miss Minas Gerais, desde 1999 quando assumimos a coordenação, tivemos resultados reconhecidos nacional e internacionalmente, tais como a eleição da mineira Natália Guimarães como Miss Brasil e Vice-Miss Universo 2007, e Débora Lyra, Miss Divinópolis, Miss Minas Gerais e Miss Brasil 2010. Além disso, três misses mineiras conquistaram a segunda colocação no concurso nacional, representadas por Fernanda Tinti (2001), Iara Coelho (2004) e Rayanne Morais (2009). Alessandra Nascimento ficou com o terceiro lugar em 1999 e várias Misses Minas Gerais foram classificadas entre as cinco semifinalistas, tais como Fernanda Soares (2000), Tatiane Alves (2005) e Marina Marques (2008). Já as misses Rafaela Tinti (2003) e Marcela Duarte (2006) ficaram entre as Top 10 do Miss Brasil.

Nossa ampla experiência nos credencia a continuar com a promoção de outros concursos estaduais, nacionais e internacionais, como já fazemos há vários anos, oferecendo à sociedade espetáculos de beleza, glamour, simpatia e entretenimento de qualidade. É desta forma que prosseguiremos valorizando os talentos das mulheres mineiras e brasileiras e divulgando o nome do nosso Estado e País de maneira digna, moral, ética e transparente.

Mais informações em nossos sites
http://www.looktopbeauty.com e http://www.missesgerais.com.br.

Divinópolis, 29 de outubro de 2010.

José Alonso Dias
Diretor da Look Top Beauty Promoções Ltda.”

(*)gaeta é o modo como a Gaeta Promoções e Eventos deve ser sempre escrita: em minúsculas, para provar o quanto o Brasil é uma sub-Venezuela, um sub-Porto Rico, uma sub-Colômbia (tipo um Whooper Jr.) ou uma Guatemala tamanho-família (tipo esses sanduíches Whooper do Burger King, Sub do Subway, Big Bob, Big Mac e afins) em termos de concursos de misses

Sobre João Lima

Crítico de entretenimento desde 2001, João Eduardo Lima escreve no Jornal Meio Norte. Foi repórter de Regional, Polícia e Nacional. Em 2005, entrou no mundo da blogosfera independente com o pioneiro TV em Análise. Suas postagens sobre os bastidores do Miss Brasil-Miss Universo mostraram ao público um lado dos concursos de beleza que os organizadores não querem que você saiba. E, ainda por cima, querem, na base da mordaça, impedir você, leitor, contribuinte e pagador de impostos, de saber o que está por trás do manto vermelho da missologia nacional.
Esse post foi publicado em Ética nos concursos de beleza, Corrupção nos concursos de beleza, Nossas Venezuelas, Realidade brasileira e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s