Foi Leci Brandão quem cunhou o termo ‘comunidade’ na televisão. Não foi o Alberico Souza Cruz tampouco o finado Armando Nogueira


A que fundo de poço Wesley Safadão, Simone e Silmária e asseclas do agronegócio country technotronic “mataram” a Música Popular Brasileira antes dos atletas da Chapecoense

João Eduardo Lima
Editor e criador dos blogs TV em Análise

Fotos Drika Bourquim/Vermelho e Reprodução/Revista Pop

Quando defendeu Antes Que Eu Volte a Ser Nada no Festival Abertura da Rede Globo, em janeiro de 1975, a carioca Leci Brandão, 72, pavimentava ali a estrada para plantar o termo “comunidade” em transmissões de eventos de Carnaval e no cotidiano dos brasileiros. Oito anos após, o jornalista Armando Nogueira (1927-2010), criador do Jornal Nacional e então diretor da Central Globo de Jornalismo, inventou a direção de “telejornais comunitários”, terminologia usada pela Globo para designar os Praça TV, nomenclatura que os telejornais das afiliadas e filiadas da Globo país afora passariam a adotar a partir de 3 de janeiro de 1983, e que vale até hoje.
Atualmente em sua segunda legislatura como deputada estadual pelo PCdoB, Leci pode ser definida como a madrinha da terminologia de “comunidade” usada à torto e a direito nas matérias policiais das televisões quando de incursões policiais em morros cariocas. Tal definição, pelo poder de fogo da Globo que “mataria” os concursos de misses, acabaria integrando os manuais de telejornalismo de suas afiliadas regionais, parte controladas por políticos de ideologia contrária à de Leci, que apoiou o movimento contra o impedimento criminoso da ex-presidenta Dilma Rousseff, 69, em agosto último.
Foi horrorizado com a “entrevista” do “artista” denominado Wesley Safadão ao programa do Gugu na Rede Record na última quarta-feira (30/11) que resolvi colocar a coisa da “comunidade” de Leci Brandão na berlinda. Coisa essa que a abertura da Olimpíada de agosto último não explicitou. Mas abriu ideias para que tratássemos de samba e não de forró kraftwerkiano de cantor cearense de coque no cabelo, egresso de uma “banda” chamada Garota Safada, na qual se encontra a fossa sanitária do degredo da Música Popular Brasileira nos anos 2000. Em nome do bom senso (e graças a Deus), o Comitê Olímpico Internacional livrou o mundo dessa vergonha, fora Temer.
Num tempo que os airplays e charts estão contaminados por “artistas” de massa como Safadão e duplas do sertanojo universotário como Simone e Silmária, Mateus e Kauan, apenas para não sentar o ferro em pessoas honestas como Fernando e Sorocaba, Pindamonhangaba, São José dos Campos e adjacências, ouvir o primeiro álbum de Leci, da gravadora Marcus Pereira, lançado em 1975, é um bálsamo para os ouvidos já violentados pelas “sofrências” e outros detritos que assassinaram por escrito o inventário do que Tonico e Tinoco, Milionário e José Rico e Helena Meirelles construíram. Antes que as multinacionais metessem a mão na Continental, Chantecler, Odeon e outros selos nacionais que sumiram com o tempo.

P.S.: O primeiro diretor de “telejornais comunitários” nomeado por Armando Nogueira foi Alberico de Souza Cruz, 78. Depois que foi demitido da Globo, Alberico fundou uma emissora UHF em Belo Horizonte focada no jornalismo “comunitário” (a emissora hoje é base da evangélica Rede Super, do pessoal do congregação Diante do Trono, que apoiou o impedimento de Dilma). Com a ascensão de Fernando Collor ao estrelato político e à Presidência da República (e sua posterior queda), Alberico passou para a direção da CGJ em março de 1990. Lá permaneceu até novembro de 1995, quando perdeu o emprego por causa de um especial de jornalismo que atacava o regime militar que a Globo amamentou, se sustentou e o usou para derrubar concorrentes como Excelsior e Tupi, entre 1970 e 1980.

Para mais, ler o texto do Vermelho, assinado pela repórter Railídia Carvalho

Publicado em Cult, MPB | Marcado com , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Comitê organizador filipino começa a sondar nomes para cantar no Miss Universo 2016


Estão reservados espaços para apresentações nos segmentos de trajes de banho, trajes de gala e apresentação final para os jurados

Da redação TV em Análise

Reprodução/65th Miss Universe

O Comitê Organizador Filipino (PHC, na sigla em inglês) do concurso Miss Universo 2016 anunciou na madrugada desta sexta-feira (2), através de uma postagem no Facebook, que está à procura de nomes para cantar nos segmentos de trajes de banho, trajes de gala e apresentação final das três finalistas para os jurados. “A noite mais bela no universo seria incompleta sem uma serenata especial para as candidatas”, diz o texto, acompanhado de uma foto com os dizeres “Quem você quer que cante no 65º Miss Universo?”.
Na caixa de comentários da postagem, o nome mais lembrados pelos internautas é o da cantora Sarah Geronimo, 28, cuja interpretação de Let it Go no programa de talentos ASAP, da rede ABS-CBN já passou da marca de 8 milhões de visualizações. Seus 14 álbuns venderam só nas Filipinas 1,1 milhão de cópias desde o início da carreira, em 2003.

Também foram lembrados pelos internautas nomes como Bruno Mars, Charice, Jessica Sanchez e Darren Criss, que já entraram no radar de atenções do PHC, que compreende integrantes do Departamento de Turismo das Filipinas (DOT), e das quatro empresas patrocinadoras – Solar Entertainment (mídia), Okada Manila (hotelaria), LCS Group (serviços) e SM Lifestyle Entertainment (serviços), além da organização não governamental Pass It Forward.
A relação oficial de atos musicais da 65ª edição do Miss Universo 2016 deverá ser liberada até o final deste mês, antes mesmo do desembarque das 85 candidatas previstas ao título, em Manila, no dia 13 de janeiro. A final televisionada do certame acontecerá daqui a 58 dias, na Mall of Asia Arena, em Pasay (região metropolitana da capital filipina).

Publicado em Canta USA, Eventos, Projetos especiais, Todas as Venezuelas do mundo, Westworld music | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Concurso de Miss Universo acumula 111 horas de transmissões televisivas desde 1960


Dados já incluem o concurso de 2016, que ocorrerá daqui a 58 dias, nas Filipinas

João Eduardo Lima
Editor e criador dos blogs TV em Análise

Alexander Nemenov/AFP/09.11.2013
Moscou foi uma das 33 cidades pelas quais passaram as transmissões do Miss Universo

Presente na televisão desde 1960, o concurso de Miss Universo chega à 65ª edição, a ser realizada daqui a 58 dias na Mall of Asia Arena, em Pasay (região metropolitana de Manila), com uma quantidade acumulada de 111 horas de transmissões realizadas em 33 cidades de 23 países dos cinco continentes. A quantidade inclui o Miss Universo 2016, apesar de o concurso ainda nem ter sido realizado. Se descontarmos o concurso de 2016, o Miss Universo acumulou desde 1960 108 horas de transmissões nessas mesmas cidades.
No período, a geração oficial do Miss Universo, feita inicialmente por uma firma sediada em Miami, a Tel-Air Enterprises, que já não existe mais, passou por três redes – CBS (1960-2002), NBC (2003-2014) e FOX (desde 2015). Quando começou a ser televisionado, em 1960, o Miss Universo já tinha passado da Pacific Mills para a Kayser-Roth, na primeira de suas nove trocas de controle acionário. Em 1970, o concurso começou a ser transmitido via satélite para fora dos Estados Unidos, mas para poucas emissoras interessadas. No Brasil, as transmissões do Miss Universo tiveram início em 1971, na extinta Rede Tupi. As transmissões em cores do concurso tiveram início em 1966.
Em termos proporcionais, a quantidade de horas transmitidas do concurso Miss Universo é praticamente a mesma de emissoras que transmitiram a Olimpíada de Verão do Rio de Janeiro, como Globo, Band (detentora do Miss Universo até 2015) e Record. Se fossem ao ar de forma contínua, todas as 56 edições já televisionadas do Miss Universo ocupariam a programação de uma única emissora durante quatro dias e meio. O número também equivaleria a oito maratonas de uma única temporada de House of Cards – o drama político acumula até agora 52 horas de exibição nas quatro temporadas já produzidas.

DEPOIS DE 1972, DURAÇÃO DO CONCURSO SÓ AUMENTOU
Na tabela, a quantidade de horas das transmissões do Miss Universo por período
Período Duração
1960-1971 1h30
1972-2013 2h
2014-2016 3h
DE 1960 A 1977, TRANSMISSÃO AMERICANA DO MISS UNIVERSO COMEÇOU DEPOIS DAS 22h
A partir de 1978, concurso começaria uma série de sete trocas de horário
Fontes: Guias de programação do Pitsburgh Post-Gazette, The Madison Courier, Eugene Register-Guard, Lawiston Morning Tribune e The Michigan Daily (via Google News) e banco de dados do TV em Análise Críticas
Período Início Término
1960 22h30 0h
1961-1971 22h 23h30
1972-1977 22h 0h
1978-1993 21h 23h
1994-1995 20h 22h
1996-2011 21h 23h
2012 20h 22h
2013 21h 23h
2014 20h 23h
2015-2016 19h 22h
AS CIDADES DA ERA TELEVISIONADA DO MISS UNIVERSO
Cidade/País Edições
Miami Beach (USA) 1960, 1961, 1962, 1963, 1964, 1965, 1966, 1967, 1968, 1969, 1970, 1971, 1997
Dorado (PUR) 1972
Atenas (GRE) 1973
Pasay (PHI) 1974, 1994, 2016
San Salvador (ESA) 1975
Hong Kong (HKG) 1976
Santo Domingo (DOM) 1977
Acapulco (MEX) 1978
Perth (AUS) 1979
Seul (KOR) 1980
Nova York (USA) 1981
Lima (PER) 1982
Saint Louis (USA) 1983
Miami (USA) 1984, 1985, 2014
Cidade do Panamá (PAN) 1986, 2003
Cingapura (SIN) 1987
Taipé (TPE) 1988
Cancún (MEX) 1989
Los Angeles (USA) 1990, 2006
Las Vegas (USA) 1991, 1996, 2010, 2012, 2015
Bangcoc (THA) 1992, 2005
Cidade do México (MEX) 1993, 2007
Windhoek (NAM) 1995
Honolulu (USA) 1998
Chaguaramas (TTO) 1999
Nicósia (CYP) 2000
Bayamón (PUR) 2001
San Juán (PUR) 2002
Quito (ECU) 2004
Nha Trang (VIE) 2008
Nassau (BAH) 2009
São Paulo (BRA) 2011
Moscou (RUS) 2013
Publicado em Datamisses, Numb3rs, Projetos especiais, Todas as Venezuelas do mundo | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Assunto da semana: As bombas do Vale do Silício


Esperteza e malandragem do enredo de Pure Genius não convencem

Fotos Esquerda Online/29.11.2016 e Sonja Flemming/CBS/Divulgação/27.10.2016

Até os ministros do Supremo Tribunal Federal, quando julgaram a tal de “pílula do câncer”, já se convenceram de que não existe milagre na ciência, por mais heterodoxo que seja. E tal denotação pode ser notada na premissa do piloto de Pure Genius (Universal Channel, 5ª, 22h, 12 anos), cheia de referências ao Vale do Silício, onde fica a sede da fictícia Bunker Hill (nome original do piloto), empresa especializada em traquinagens contra a teoria da evolução das espécies comandada por James Bell (Augustus Prew, The Borgias).

Colleen Hayes/CBS/Divulgação/27.10.2016

Cretino, o enredo de Jason Katims (Friday Night Lights) coloca o suspeito doutor Walter Wallace (Dermot Mulroney, Crisis) como o Deus da salvação, imortalizado na Bunker Hill como uma estátua de 3D sabe se lá para quê. Ruim, Pure Genius desagrada até quem esperava mais de um drama novato indicado ao 43º People’s Choice Awards. Inclusive desagradar público e anunciantes logo de saída, bem como sua emissora, a CBS, que não quis dar boquinha extra. A trama vai acabar após a veiculação do 13º episódio da ordem.
De asneira em asneira, o piloto de Pure Genius superou apenas os discursos ficcionais de Ronaldo Caiado e Aloysio Nunes Ferreira que defenderam a aberração da “PEC da Morte”, a qual Katims não assinou. Se ambientada em Brasília fosse, Pure Genius retrataria o gênio nada puro dos senadores que defenderam o impedimento de investimentos públicos em educação e saúde por 20 anos. Mas esta é outra história. Noutra ponta, as discussões no Senado revelaram verdadeiros doutores Wallaces e James metidos em traquinagens.
É óbvio que qualquer semelhança notada por este texto na peça de ficção chamada Pure Genius com o teatro de horrores que o Brasil vai continuar a passar na área da saúde e da educação é mera coincidência. Assisti ao episódio na segunda-feira (28), um dia antes do sarau de discussões ideológicas da famigerada PEC 55. Da mesma forma, deve se atestar que milagres de medicina existem, mas não devem ser tratados como padrão de ficção televisiva. Nem ao ponto de desmerecer as empresas do Vale do Silício. Boa semana a todos.

Publicação simultânea com o caderno Notícia da TV do Jornal Meio Norte que circula no domingo (4/12)

Publicado em Coluna da Semana, Séries | Marcado com , , , , , , , , , | Deixe um comentário

A 60 dias do Miss Universo 2016, 56% das candidatas eleitas já constam do site oficial


De um total de 82 candidatas, 45 já estão na relação oficial

Da redação TV em Análise

Miss Universe Kenya/Divulgação/12.11.2016
Quênia ainda está em processo de definição da candidata nacional

Faltando dois meses para a realização da 65ª edição do concurso de Miss Universo, o processamento de candidatas por parte da Miss Universe Organization no site oficial do certame começou a se intensificar. Até a manhã desta quarta-feira (30), os nomes de 45 competidoras já tinham sido lançados. O número corresponde a 54,87% do total de 82 candidatas eleitas em concursos nacionais, escolhidas em seletivas ou aclamadas pelas respectivas coordenações.
Foram processados pela MUO os nomes das seguintes candidatas:

-Luísa Baptista (ANG)
-Caris Tivel (AUS)
-Dajana Dzinic (AUT)
-Shannon Harris (BAR)
-Stephanie Geldhof (BEL)
-Rebecca Rath (BLZ)
-Antonella Moscatelli (BOL)
-Raíssa Santana (BRA)
-Erika Creque (IVB)
-Andrea Tovar (COL)
-Barbara Filipovic (CRO)
-Chanelle de Lau (CUR)
-Christina Mikkelsen (DEN)
-Sal Garcia (DOM)
-Connie Jimenez (ECU)
-Nuka Karalashvili (GEO)
-Johanna Acs (GER)
-Muñeka Taisipic (GUM)
-Soyini Fraser (GUY)
-Raquel Pelissier (HAI)
-Hildur Leifsdóttir (ISL)
-Isabel Dalley (JAM)
-Sari Nakazawa (JPN)
-Jenny Kim (KOR)
-Camila Barraza (KOS)
-Kiran Jassal (MAS)
-Martha Fenech (MLT)
-Kushboo Ramnawaj (MRI)
-Cristal Silva (MEX)
-Htet Htet Htun (MYA)
-Lizelle Esterhuizen (NAM)
-Zoey Ivory (NED)
-Marina Jacoby (NIC)
-Unoaku Anyadike (NGR)
-Christina Waage (NOR)
-Maxine Medina (PHI)
-Izabella Krzan (POL)
-Yuliana Korolkova (RUS)
-Lucija Potočnik (SLO)
-Ntandoyenkosi Kunene (RSA)
-Ida Ovmar (SWE)
-Tansu Sıla Çakır (TUR)
-Carolyn Carter (ISV)
-Elena Spodynyuk (UKR)
-Deshauna Barber (USA)

Na seção de candidatas do site oficial do Miss Universo 2016 há espaço para 100 candidatas. No entanto, nem todos os espaços serão preenchidos a tempo: dos 100 países projetados para o concurso, Chipre, Egito, El Salvador, Etiópia, Gabão, Grécia, Irlanda, Itália, Cazaquistão, Líbano, Lituânia, Romênia, Espanha, Trinidad e Tobago e Turks e Caicos ainda não decidiram como irão escolher suas candidatas. Santa Lúcia já realizou concurso nacional em agosto, mas o nome da candidata ainda não foi confirmado pela MUO.

Últimos concursos nacionais

No Quênia, o processo de escolha da representante do país no Miss Universo ainda está em andamento. Não há uma data decidida para a realização do concurso nacional. O país participou pela última vez do certame de 2014, realizado em janeiro de 2015 nas cidades de Doral (eventos prévios) e Miami (preliminar e final televisionada).
Em Portugal, a eleição da candidata nacional está prevista para o domingo, 11 de dezembro.
Com estes dois concursos, o número final de candidatas ao Miss Universo 2016 deverá variar entre 84 e 90, caso Cazaquistão, Gabão, Grécia, Itália, Líbano e Espanha consigam eleger ou inscrever suas candidatas previamente eleitas até a data limite fixada pela MUO – 11 de dezembro. Nessa data, faltarão exatos 30 dias para o desembarque das candidatas no Aeroporto Internacional de Manila.

Publicado em Datamisses, Numb3rs, Projetos especiais, Todas as Venezuelas do mundo | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

As curvas da saudosa Dorothy Stratten nos dois ensaios que fez para a Playboy americana


Agosto de 1979 e como Playmate do Ano, em junho de 1980

Fotos Mario Casilli/Playboy EUA/Reprodução


Publicado em Divas, Personalidades, Revistas | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

As indicações ao 43º People’s Choice Awards nas categorias de música, em detalhes e estatísticas


Com os dois pés no Grammy, Drake segue tendência de liderar indicações

Da redação TV em Análise

Christopher Polk/Getty Images
Rapper canadense recebeu cinco indicações em quatro categorias

A uma semana de se conhecerem as indicações para a 59ª edição do Grammy, o rapper canadense Drake, 30, após a coalhada de 13 indicações ao 44º American Music Awards, vai para o 42º People’s Choice Awards como artista mais indicado nas categorias de música. A parceria com Rihanna, 28, em Work ajudou a cantora barbadiana a angariar quatro indicações na sequência. A pareceria de Work, ao que parece, poderá trazer reflexos diretos no quadro de indicações ao Grammy a se conhecer na manhã da próxima terça-feira (6).
Por fora, Ariana Grande, Beyoncé, Blake Shelton e Justin Timberlake aparecem com três indicações cada. Com duas indicações aparecem Adele, Britney Spears, The Chainsmokers, The Weeknd e Zayn, dissidente do One Direction. A votação popular para definir os vencedores das 12 categorias de música, quatro de mídias digitais, 16 de cinema e 31 de televisão (menos as de novas séries favoritas de drama e comédia, que terão cinco finalistas) se encerra às 23h59 (horário da costa leste americana) da quinta-feira 15 de dezembro. Abaixo, a lista de indicados nas categorias de música

CATEGORIAS GERAIS

Artista masculino favorito
Blake Shelton
Drake
Justin Timberlake
Shawn Mendes
The Weeknd

Artista feminina favorita
Adele
Ariana Grande
Beyoncé
Britney Spears
Rihanna

Grupo favorito
The Chainsmokers
Coldplay
Fifth Harmony
Panic! at the Disco
Twenty One Pilots

Artista revelação favorito
Alessia Cara
The Chainsmokers
DNCE
Niall Horan
Zayn

CATEGORIAS DE MÚSICA COUNTRY

Artista masculino favorito de country
Blake Shelton
Keith Urban
Luke Bryan
Sam Hunt
Tim McGraw

Artista feminina favorita de country
Carrie Underwood
Dolly Parton
Kelsea Ballerini
Miranda Lambert
Reba McEntire

Grupo favorito de country
The Band Perry
Florida Georgia Line
Little Big Town
Lonestar
Zac Brown Band

OUTROS

Artista pop favorito
Adele
Ariana Grande
Britney Spears
Justin Timberlake
Sia

Artista favorito de hip-hop
DJ Khaled
G-Eazy
Kanye West
Kendrick Lamar
Wiz Khalifa

Artista favorito de R&B
Beyoncé
Drake
Rihanna
Usher
The Weeknd

Álbum favorito
Anti – Rihanna
Dangerous Woman – Ariana Grande
If I’m Honest – Blake Shelton
Lemonade – Beyoncé
Views – Drake

Canção favorita
Can’t Stop the Feeling – Justin Timberlake
No – Meghan Trainor
One Dance – Drake com Kyla e Wizkid
Pillowtalk – Zayn
Work – Rihanna com Drake

A 43ª edição dos People’s Choice Awards será realizada às 18h da quarta-feira, 18 de janeiro, no Microsoft Theater, em Los Angeles. No Brasil, a transmissão será do canal pago Warner às 23h (horário de Teresina). Nos Estados Unidos, s CBS não fará transmissão ao vivo de costa a costa da premiação. Os telespectadores das Montanhas Rochosas e da costa oeste terão de ver a premiação gravada, às 20 e 21h locais, respectivamente. Na costa leste e região central, a premiação irá ao ar ao vivo às 21h e 20h, respectivamente.

Publicado em Canta USA, Eventos, Premiações | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário